Palmeiras é o sexto a disputar Libertadores e Serie B no mesmo ano

Palmeiras é o sexto time a disputar Libertadores e Serie B no mesmo ano

Seis equipes já disputaram o maior torneio continental enquanto tentavam acesso à elite nacional

FOX Sports

Na história da Copa Bridgestone Libertadores, cinco equipes vivenciaram a situação curiosa de disputar o principal torneio continental enquanto buscavam uma vaga na elite nacional. O Palmeiras na edição 2013 será o sexto time, que já conta com outros quatro brasileiros, Guarani (1987), Criciúma (1992), Santo André (2005), Paulista (2006), e o boliviano Jorge Wilstermann (2011).

Guarani:

O primeiro a passar por essa situação foi o Guarani, que garantiu vaga na Libertadores após ser vice-campeão brasileiro em 1986. O Campeonato Brasileiro de 1987 sofreu uma reformulação passando a se chamar Copa União, no qual o critério de participação eram as 16 maiores torcidas do Brasil. E assim o Bugre foi rebaixado para a segunda divisão, conhecida como Módulo Amarelo.

Na Libertadores, a equipe campineira fez péssima campanha, com uma vitória, três empates e duas derrotas. O clube caiu no grupo 3, com os chilenos Cobreloa e Colo-Colo, e o São Paulo. O único resultado positivo do Guarani foi diante do Tricolor Paulista, na primeira rodada, vitória por 3 a 1.

Criciúma: 

Campeão da Copa do Brasil de 1991, o Criciúma ganhou o direito de disputar o torneio continental. Na Libertadores a equipe foi longe, passando em primeiro lugar no grupo 2, que possuía o São Paulo e dois clubes bolivianos: Bolívar e São José. O Tigre Catarinense ainda eliminou o Sporting Cristal, do Peru, nas oitavas de final e só caiu nas quartas para o futuro campeão São Paulo. Foi a melhor campanha dos clubes rebaixados.

Não perca: Ronda Rousey exibe corpão antes da estreia no UFC

Confira também: Foliões! Veja como os atletas brasileiros passaram o carnaval 2013

E mais: Veja todas as curiosidades e números da Copa Bridgestone Libertadores

Fique por dentro: Quem são os maiores mãos de travesseiro do MMA?

Santo André:

Em 2005, foi a vez do Santo André. Campeão da Copa do Brasil de 2004, o Ramalhão caiu no grupo do Palmeiras, além do Deportivo Tachira, da Venezuela, e do Cerro Porteño, do Paraguai. A equipe comandada pelo técnico Sérgio Soares fez uma boa campanha para o padrão do elenco, terminando em terceiro na chave, ganhando do Palmeiras por 2 a 1 e do Tachira por 6 a 0. Eliminado na Libertadores, o clube conquistou um quinto lugar na Serie B.

Paulista:

Seguindo os passos do Santo André, o Paulista de Jundiaí sagrou-se campeão da Copa do Brasil de 2005. Caindo em um grupo complicado, a equipe do interior ainda conseguiu aprontar na competição, vencendo o poderoso River Plate por 2 a 1. Mas foi a única vitória do Tricolor Jundiaiense no grupo que ainda contava com o Libertad, do Paraguai, e o El Nacional, do Equador. O clube também terminou em quinto na Serie B daquele ano, na qual brigou para não ser rebaixado no começo do campeonato e se sobressaiu após ser eliminado na Libertadores.

Jorge Wilstermann:

O único não brasileiro a conquistar este feito foi o boliviano Jorge Wilstermann, que na edição de 2011 disputou a segunda divisão boliviana. Após ser campeão do Torneio Apertura, o clube caiu para a segundona por acumular uma série de maus campeonatos. Na Libertadores, os bolivianos ficaram em último no grupo que tinha Internacional, Jaguares, do México, e o Emelec, do Equador.

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!