Ex comandado de Jesus revela o que o decepcionou durante passagem pelo Benfica

Ex-comandado de Jesus revela o que o decepcionou durante passagem pelo Benfica

Axel Witsel trabalhou com o português durante uma temporada pelos Encarnados

NBB: FLAMENGO X BRASÍLIA
NBB: FLAMENGO X BRASÍLIA
ao vivo
CAMPEONATO ALEMÃO: BORUSSIA DORTMUND X COLÔNIA
CAMPEONATO ALEMÃO: BORUSSIA DORTMUND X COLÔNIA
ao vivo
CONMEBOL LIBERTADORES: PROGRESO (URU) X BARCELONA (EQU)
CONMEBOL LIBERTADORES: PROGRESO (URU) X BARCELONA (EQU)
ao vivo
CONMEBOL LIBERTADORES: SAN JOSÉ (BOL) X GUARANÍ (PAR)
CONMEBOL LIBERTADORES: SAN JOSÉ (BOL) X GUARANÍ (PAR)
ao vivo
BAIXE O APLICATIVO
FOX Sports

Axel Witsel despontou para o futebol europeu sob o comando do técnico Jorge Jesus, no Benfica, durante a temporada 2011/12. O belga conquistou a Taça da Liga Portuguesa, mas, ainda assim, ficou decepcionado com um ponto. Em entrevista à Eleven Sports, o volante afirmou que gostaria de ter conquistado o Campeonato Português. Naquele ano, os Encarnados ficaram na segunda posição, seis pontos atrás do rival Porto.

“É uma pena. Foi um ano muito bom para mim, para a equipe também, mas não ganhámos o campeonato. Queria saber qual a sensação de ganhar o campeonato pelo Benfica. Falei com Luisão e com outros jogadores e todos me disseram que era uma coisa incrível”, afirmou o meio-campista.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Gringos elegem os cinco maiores do Brasil; veja o resultado

Na janela de transferências seguinte, o jogador se transferiu para o Zenit por 40 milhões de euros (cerca de R$ 182 milhões na cotação atual), onde ficou por cinco anos. Em 2017 se transferiu para o futebol chinês. Um ano depois, porém, uma situação envolvendo sua filha o fez retornar para a Europa.

"Minha filha começou a ter dores no estômago, então levei ela para o Hospital Internacional de Tianjin. Ela tinha uma obstrução intestinal, mas o hospital não tinha o equipamento necessário para fazer o tratamento. Tive duas opções: ir para o Hospital Chinês em Tianjin, ou dirigir por duas horas até o Hospital Internacional mais próximo, em Pequim. Eu estava preocupado, não sabia se tinha duas horas, podia ser perigoso. Então fui ao Hospital Chinês, que é menor. Lá eu me deparei com um número muito grande de pacientes, você tinha que tirar uma senha e esperar - e isso na emergência”, contou o volante em entrevista ao site Goal da Alemanha recentemente.

"Para mim aquilo foi uma loucura. Passaram-se duas, três horas, minha filha chorando de dor e sofrendo. No outro dia minha filha foi para casa. Não deixaram minha esposa acompanhar o tratamento, mas pelo menos tinham o equipamento e conseguiram resolver o problema que ela tinha. Após essa experiência eu falei para minha esposa - depois da Copa voltaremos para a Europa. Dinheiro é importante, mas não é tudo. Não me trouxe felicidade na China. Eu ganhei milhões e quando precisei de um médico, não tinha. Agora minha filha está bem, mas poderia não estar", completou.

No Borussia Dortmund desde o início da temporada, o volante já atuou em 53 partidas pelo clube alemão, marcou oito gols e deu quatro assistências. Conquistou o título da Supercopa da Alemanha no último mês de agosto.

Carlos Alberto toma uma guilhotina em aula de MMA com equipe do FOX Fight Club

Leia também!

Flamengo monta operação para ter dois reforços contra o Fortaleza 

Jogador do Palmeiras dispara: “É ruim não estar jogando”

A frase de Carille que pode irritar ainda mais a torcida do Corinthians

Crédito da foto: Marcelo Cortês/Flamengo

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!
Publicidade