Balotelli, Drogba, Anelka...veja sete foras que brasileiros levaram de gringos após espera

Balotelli, Drogba, Anelka...veja 8 “foras” que brasileiros levaram de gringos após espera

Italiano foi o último gerar muita expectativa para acertar com um clube do Brasil, mas que o negócio acabou melando

FOX Sports

Na tarde desta quinta-feira o Flamengo anunciou oficialmente a desistência em levar adiante as negociações com o atacante italiano Mario Balotelli, após dias de tentativa e ida de dirigentes à Europa para viabilizar o negócio. A decisão foi tomada em comum acordo com o estafe do atleta. Após semanas de negociação, as partes não chegaram a um acordo final, e é mais provável que Balo vá atuar no futebol italiano, sendo o Brescia o time mais próximo de contar com seu futebol.

A tentativa de contar com o ex-atacante de Inter de Milão, Milan, Manchester City, Liverpool e seleção italiana, entre outros, gerou grande expectativa não só nos flamenguistas, mas também no futebol brasileiro pela oportunidade de contar com o badalado, polêmico e temperamental jogador.

Mas a falta de acerto com Balotelli está longe de ser a única vez que jogadores gringos badalados disseram não a clubes do Brasil após longas negociações e expectativa. Veja jogadores de fora que já “namoraram” times brasileiros, mas que acabaram optando por outro destino.

Anelka (Atlético-MG)

Em 2014, o presidente Alexandre Kalil, como de costume em todas as contratações da época em que era presidente, anunciou no Twitter: 'Anelka é do Galo'. Só que o francês desistiu e fez o negócio melar. Alguns anos depois, Anelka disparou contra o então mandatário do time mineiro: "A transferência deu errado simplesmente porque o presidente do clube é um amador. Ele cometeu uma quantidade de erros que, normalmente, quando se é profissional e se é um grande presidente, são erros que não se comete". A maior crítica de Anelka foi sobre Kalil ter anunciado o acordo antes de ter fechado.

Vieri (Botafogo-SP e Boavista-RJ)

Em 2009, o Botafogo-SP deu como certo a contratação do italiano. A alegação do time paulista foi o atraso do atleta para realizar os exames médicos. Com a desistência, o Boavista passou a ser o interessado no ex-atacante da Inter. Vieri era muito amigo de um dos donos do Boavista. Acertou com o clube de Saquarema, treinou, mas deixou o time sem jogar.

Drogba (Corinthians)

O ano foi 2017. A diretoria do Corinthians foi atrás de um dos principais atacantes do século, fez a proposta, viu o negócio se encaminhar, mas depois ouviu um 'não' do marfinense. Na época, Drogba fez uma carta agradecendo pelo interesse: "O que aconteceu foi que eles fizeram uma oferta, não foi a única oferta que eu tive. Claro que é um clube grande e eu tenho muito respeito pelo Corinthians e pelos meus irmãos brasileiros, mas eu decidi ir por outro caminho, ser co-proprietário de um clube, agora sou dono de um clube."

Tony Meola (Botafogo)

Um dos ícones da história da seleção dos Estados Unidos na Copa do Mundo de 1994, Tony Meola por muito pouco não acertou para jogar no futebol brasileiro. Em 1995, depois de um curto período que se afastou do futebol, chegou a conversar e ter quase tudo apalavrado com o Botafogo, mas o negócio não evoluiu. E ele se arrependeu, como disse para o FOXSports.com.br, em 2018: "Eu realmente queria ir jogar lá. Eles primeiro me ligaram, e eu fiquei surpreso. Via a chance de jogar no futebol brasileiro como uma grande oportunidade em minha carreira. Infelizmente as coisas acabaram não se concretizando, são daqueles tipos de arrependimento que eu tenho na carreira. Mas tenho memórias legais de toda aquela negociação”, disse o ex-jogador

Paulo Futre (Portuguesa e Santos)

No final da década de 90, Portuguesa e Santos tentaram a contratação do português. Na questão da Lusa, Futre chegou a fazer reuniões e agendou exames para saber a real condição do joelho direito. Só que os dirigentes da Portuguesa não foram, algo que irritou o então atleta. Com o negócio melado com a portuguesa, o presidente da Federação Paulista de Futebol o ofereceu ao Santos, que sentou para negociar com Futre. Ao UOL, ele contou que foi perseguido pelos jornalistas por conta da condição física, dos problemas no joelho e, por isso, armou um esquema ‘007’ para deixar o país disfarçado. Já na Europa, prometeu que voltaria em dois dias e nunca mais apareceu.

Romagnoli (Bahia)

Em 2014, o Bahia acertou com Romagnoli. Destaque do San Lorenzo, o meia chegou em Salvador com festa, mas desistiu de atuar no time brasileiro. Campeão da Libertadores com o San Lorenzo no mesmo, ele argumentou que queria voltar ao Ciclón para a disputa do Mundial de Clubes. O atleta pagou uma multa, e o Bahia acertou o acordo.

Thomas Brolin (Portuguesa)

Em 1998, a Portuguesa tentou também o sueco que disputou as Copas de 1990 e 1994. Thomas Brolin atuava no futebol inglês, mas as conversas com a Lusa não evoluíram.

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!
Publicidade