Me deve desculpas Eto'o cita Messi para revelar mágoa com Guardiola nos tempos de Barcelona

'Me deve desculpas': Eto'o cita Messi para revelar mágoa com Guardiola nos tempos de Barcelona

Camaronês afirma que só deixou o clube em função de um pedido do próprio técnico, que não queria mais contar com o atacante em seu elenco

Gazeta Press

Samuel Eto’o deixou o Barcelona há quase 10 anos, mas, como ele mesmo demonstra, ainda não superou alguns problemas da época. Um deles diz respeito a ninguém menos que Pep Guardiola, atual técnico do Manchester City, que, segundo o camaronês de 38 anos de idade, não teria lhe dado o tratamento que merecia no clube catalão.

“O Guardiola viveu toda uma vida em Barcelona, mas durante todos aqueles anos nunca entendeu o plantel. Não vivia a vida do nosso grupo. Um dia, eu lhe disse que, mais tarde, ia acabar me pedindo desculpa, porque era eu que faria o Barcelona vencer, não o Messi. Fui eu que fiz o Barça ganhar e ele me deve um pedido de desculpa”, disparou, em entrevista ao beIN Sports. “Podem perguntar ao Xavi, ao Iniesta, a muitos outros… O Messi despontaria mais tarde, mas aquela foi a minha era”, completou.

Atlético-MG exclusivo, Boca, Arsenal e Chelsea: tudo no FOX Sports

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Para piorar a situação, Eto’o ainda afirma que só deixou o Barça em função de um pedido do próprio Guardiola, que não queria mais contar com o atacante em seu elenco. Como aponta o camaronês, a decisão acabou não sendo de todo mal.

“O meu agente me disse que o clube me queria vender por pedido do Guardiola. Hoje em dia, vejo que me deu a oportunidade de ganhar a Liga dos Campeões pela Inter de Milão e entrar ainda mais na história do futebol”, finalizou o jogador, que atualmente defende as cores do Qatar SC.

Se inscreva no canal do FOX Sports Brasil no YouTube

Clique e assine o APP do FOX Sports

Apesar das rusgas, na temporada 2008/2009, Eto’o e Guardiola conquistaram três troféus juntos: um da Liga dos Campeões, um do Campeonato Espanhol e um da Copa do Rei da Espanha. Por coincidência, ou não, aquele foi o único ano em que trabalharam lado a lado, sendo o último do atacante com o uniforme azul-grená e o primeiro do técnico à frente do time.

(Crédito da imagem: Agência EFE)

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!
Publicidade