Nenê diz que tentou ligar para Aguirre após demissão: “Fiquei chateado”

Meio-campista disse que não teve nenhuma relação com a saída do uruguaio e disse que ficou "realmente chateado" com o adeus do técnico

Gazeta Press

Apontado como um dos entusiastas da demissão de Diego Aguirre, o meia Nenê se defendeu nesta quinta-feira, após o empate por 1 a 1 com o Grêmio, no Morumbi. O camisa 10 do São Paulo afirmou que tentou ligar para o técnico e se disse chateado com a saída do uruguaio.

“Tentei ligar, mas não consegui falar com ele. O Aguirre tem um mérito enorme por estarmos onde estamos. A direção quis adiantar (a saída) pelos resultados. Eu realmente fiquei chateado porque acabou caindo na minha conta uma coisa que não teve nada a ver comigo”, disse, na zona mista do Morumbi.

Paulistano x Fla no NBB e mais: tudo no FOX Sports

“Não tem como eu falar o motivo da saída (do Aguirre) ou não. Não cabe a nós. Não tínhamos nada a ver com isso. Não tem o que eu falar. É uma situação difícil. Para mim não é a solução, mas para o clube e para a direção, sim. O (André) Jardine mostrou que pode fazer um grande trabalho”, acrescentou.

Aos 37 anos, Nenê deu sinais públicos de insatisfação com a reserva sob o comando de Aguirre. Após o duelo com o Flamengo, por exemplo, ele deixou o Morumbi às pressas, com o semblante fechado. Além disso, ficou marcado por reclamar ao ser substituído durante os jogos.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

“Aconteceu isso (reclamar de sair) uma vez, porque eu quero estar dentro de campo, ajudando, sou competitivo. Se querer estar ali ajudando é faltar com respeito… Não acho normal. Se o cara está aqui e não está querendo ajudar alguma coisa está errada. Simplesmente isso”, argumentou.

Ele também falou sobre a comemoração do gol de Brenner no empate por 1 a 1 com o Corinthians, no último final de semana. Na ocasião, ele foi acusado de ter deixado Aguirre no “vácuo” para celebrar com o banco de reservas.

Saiba mais:

Fla cogita Gabigol e 'pacote' do Santos

Simeone fica perto de definir futuro

Torcida do Palmeiras quer ex-Seleção

“O gol não foi meu. Eu estou correndo junto com ele, quem fez o gol foi ele. Eu ainda olhei para o Aguirre e falei ‘vamos!’. Sempre é com o banco (a comemoração), acabou que ele (Aguirre) estava um pouco afastado. Como aconteceu logo em seguida (a demissão), acabaram relacionando a isso”, afirmou Nenê, que prosseguiu.

“Espero que o torcedor saiba que os veículos de comunicação vendem mais com polêmicas. Estou muito tranquilo, mas muito chateado, porque isso acabou criando uma verdade que não tem nada a ver. Daqui a pouco é racha, é panela… Nosso grupo é excelente, pode perguntar para qualquer pessoa do clube”, concluiu.

Crédito: Richard Callis/ Fotoarena

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!
Publicidade