Empresário nega influencia em escalações, mas revela Corinthians ainda me deve dinheiro

Empresário nega influência em escalações, mas revela: 'Corinthians ainda me deve dinheiro'

Responsável pelas carreiras de jogadores de peso do elenco como Cassio e Fágner, Carlos Leite negou que tenha influenciado na escalação do atacante Jonathas para a final da Copa do Brasil

Gazeta Press

O empresário Carlos Leite revelou na noite deste domingo (28), em participação em programa da TV Gazeta, que tem dinheiro a receber do Corinthians por negociações realizadas durante a gestão Roberto de Andrade, que antecedeu a chegada de Andrés Sanchez. O agente, que respondia uma afirmação de que o ex-mandatário o teria “colocado para correr” do clube, não quis revelar os valores.

“O Roberto de Andrade não me colocou para correr. O Renato Augusto, o Gil, o Gabriel e o Mateus Vital eu negociei na gestão dele. O Corinthians ainda me deve dinheiro dessas negociações, aliás”, disse Leite, que negou qualquer influência na escalação do atacante Jonathas, seu cliente, escolha do técnico Jair Ventura para a partida contra o Cruzeiro, na final da Copa do Brasil.

Semifinais da Libertadores, decisões na Sul-Americana e mais: a semana do FOX Sports

“Nós não temos essa influência, nós agentes. Espero que tenha ficado tudo entendido. A primeira é que eu não represento o Mano Menezes desde que ele foi para China. A outra é que eu não represento o Jair Ventura, apesar de ter feito o meio-campo entre ele e o Andrés. A terceira é que o Jonathas não tem nada nem perto do que foi colocado”, continuou o empresário, que tem, além dos citados, o goleiro Cássio e o lateral direito Fagner.

O goleiro, aliás, ressaltou durante a semana sua satisfação com a gestão da sua carreira, sugerindo até ao meia Pedrinho que pensasse melhor em quem gerencia seu futuro. O jogador passara por problemas após o seu empresário dizer que o tiraria do Timão nas redes sociais.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

“A gente tem que buscar o melhor para os nossos clientes, levar para o lugar em que eles terão segurança para trabalhar, vão receber o melhor salário. Eu não tive culpa quando perdeu nem mérito quando ganhou”, avaliou Leite, reconhecendo que não vê os clubes brasileiros bem administrados.

“Se eu falar que não eu vou ser demagogo. Mas acho que agora o futebol está tentando entrar dentro de uma normalidade. Agora, se o dinheiro vem de empresário ou banco, estando registrado na Receita, pagando imposto, qual é o problema?”, concluiu o empresário.

(Crédito da imagem: Marco Galvão/Foto Arena)

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!
Publicidade