Felipão se diz palmeirense de coração, valoriza elenco e dispara: Não é pra brigar. É para jogar

Felipão se diz ‘palmeirense de coração’, valoriza elenco e dispara: ‘Não é pra brigar. É para jogar'

Felipão falou ainda sobre o clima tenso que rondava os últimos duelos entre Palmeiras e Corinthians e relembrou ainda as famosas embaixadas do atacante Edilson, em 1999

FOX Sports

O Palmeiras venceu o Corinthians, neste domingo, no Allianz Parque, por 1 a 0, em duelo válido pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Logo após a partida, o técnico Luiz Felipe Scolari falou sobre a sua recente chegada ao clube, mas grandes mudanças impostas em relação ao elenco, mas valorizou a identificação que tem com o clube para justificar os recentes resultados.

Veja os jogos da La Liga no FOX Premium

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

“Embora do Sul, me sinto palmeirense de coração. Sou recebido como uma pessoa da casa. O trabalho anterior ao meu tinha uma boa base. Eu dei umas retocadas no sentido de ambiente, de amizade, de carinho. Vou usando o que tenho à disposição no meu CT, um atua 45, o outro um pouco mais, e vou gerindo isso. O Turra e o Pracidelli me ajudam a equilibrar a equipe e dar uma identidade ao time. Apenas gerenciei algumas coisas e dei minha experiência e conhecimento ao elenco”, disse o comandante.

Felipão falou ainda sobre o clima tenso que rondava os últimos duelos entre Palmeiras e Corinthians. O treinador deu uma ‘solução’ ao seu time e fez questão de relembrar o caso das embaixadinhas de Edílson, que provocou os palmeirenses no ano do título paulista, em 1999.

Saiba mais:

Palmeiras x Corinthians: veja prováveis escalações

Zidane já tem lista com 4 estrelas caso vá para United

Flamengo atualiza a situação médica de atacante

“O Palmeiras tem que jogar futebol e não brigar com o Corinthians. Hoje, ele deveria equilibrar na vontade, mas jogar futebol. Não brigar. Provavelmente hoje, em muitas situações, a gente puxou o freio de mão para não brigar. Futebol não é assim. Vocês lembram do Edilson? Das embaixadinhas? Eu fiquei bravo com ele? Não. Eu levei ele para a Copa. Porque ele é muito bom. É um grande amigo meu. Como técnico, eu preciso identificar isso. Tem algumas coisas que precisamos desmistificar perante aos atletas”, finalizou.

Crédito: Ricardo Moreira/ Fotoarena

Link copiado para a área de transferência!