Buffon admite que Itália não cria mais craques como antes

Buffon admite que Itália não cria mais craques como antes

Além de falar do atual momento do time Azzurri, o arqueiro ainda relembrou a conquista do tetracampeonato mundial da Itália, em 2006

FOX Sports

Depois de entrevistar Neymar e Luís Suárez, Gerard Piqué, zagueiro do Barcelona, deu prosseguimento à sua série Pique+, produzida pelo site The Players Tribune, e foi a Turin gravar com Gianluigi Buffon. Entre os diversos assuntos abordados, se tratando de um ano de Copa do Mundo, o goleiro relembrou a conquista do tetracampeonato mundial da Itália, em 2006.

Luverdense x Santos, decisão no grupo do Corinthians e Libertadores; a quinta no FOX Sports

“Foi uma loucura. Já se passaram 12 anos e quando olho a equipe da França, vejo que eram fortíssimos. Acreditávamos que já tínhamos ganhado, mas enfrentamos uma equipe bestial. E o que te faz o entusiasmo, a energia positiva. Você pensa que pode superar qualquer obstáculo. Entramos nessa espiral. Éramos uma equipe sem medo de nada e que acreditava que podia vencer qualquer rival”, revelou o arqueiro, que ainda tentou diagnosticar o que causou a ausência da Itália no Mundial da Rússia.

“Eu penso que falta algo. Não posso crer que a Itália não consegue criar talentos como antes. Porque, quando entrei na seleção, tinha Baggio, Del Piero, Totti, Inzaghi, Montella, Vieri, tinha um número inimaginável de talentos. Mas nos últimos dez anos, vejo que a Itália tem uma boa equipe, porque não somos ruins, somos uma boa equipe, mas sem os talentos que tínhamos antes. E quando não se tem determinados jogadores, custa muito conseguir resultados, vitórias”.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Ainda assim, Buffon, que anunciou nesta quinta-feira (17 de maio), que deixará de defender a Juventus após 17 anos, mantém o otimismo e enxerga uma evolução no time Azurri. “O que acredito que tem melhorado nestes dez anos, é o grande orgulho e o grande senso de pertencimento. Durante estes 10 anos, tivemos maus resultados, mas também chegamos à final da Eurocopa 2012, fizemos um bom papel na edição de 2016, porque dentro temos um orgulho que às vezes nos permite fazer mais que o esperado”.

Leia também:

Éverton Ribeiro se divide entre Fla e hospital para cuidar do filho

Dedé revela por que trocou o Flamengo pelo Vasco no passado

Palmeiras vence colombianos e fatura a melhor campanha da Liberta

Crédito da foto: EFE

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!