Marcelinho Carioca revela Neymar e Daniel Alves não queriam jogar com Dunga

Marcelinho Carioca revela: 'Neymar e Daniel Alves não queriam jogar com Dunga'

Ex-jogador afirmou que ambiente do treinador com alguns craques da Seleção não era dos melhores, e exaltou mudança do cenário com a chegada de Tite: ‘Time está mais solto, mais leve’

SUPERLIGA ARGENTINA: GODOY CRUZ X RIVER PLATE
SUPERLIGA ARGENTINA: GODOY CRUZ X RIVER PLATE
ao vivo
COPA DO NORDESTE: CSA X SPORT
COPA DO NORDESTE: CSA X SPORT
ao vivo
CAMPEONATO ALEMÃO: BAYERN DE MUNIQUE X SCHALKE
CAMPEONATO ALEMÃO: BAYERN DE MUNIQUE X SCHALKE
ao vivo
CAMPEONATO ALEMÃO: EINTRACHT FRANKFURT X LEIPZIG
CAMPEONATO ALEMÃO: EINTRACHT FRANKFURT X LEIPZIG
ao vivo
CAMPEONATO ALEMÃO: BORUSSIA MÖNCHENGLADBACH X MAINZ
CAMPEONATO ALEMÃO: BORUSSIA MÖNCHENGLADBACH X MAINZ
ao vivo
NBB: FLAMENGO X BRASÍLIA
NBB: FLAMENGO X BRASÍLIA
ao vivo
CAMPEONATO ALEMÃO: BORUSSIA DORTMUND X COLÔNIA
CAMPEONATO ALEMÃO: BORUSSIA DORTMUND X COLÔNIA
ao vivo
CONMEBOL LIBERTADORES: PROGRESO (URU) X BARCELONA (EQU)
CONMEBOL LIBERTADORES: PROGRESO (URU) X BARCELONA (EQU)
ao vivo
BAIXE O APLICATIVO
Gazeta Press

Não é preciso ser um grande especialista para notar a evolução da Seleção Brasileira desde a troca no comando técnico. Do temor em não se classificar para a Copa do Mundo de 2018, a equipe agora vislumbra assumir a liderança das Eliminatórias Sul-americanas na próxima terça-feira (11 de outubro). A saída de Dunga e a chegada de Tite foram cruciais para essa reviravolta, revelou Marcelinho Carioca em entrevista à TV Gazeta, na noite do último domingo (09).

“Vou falar uma coisa aqui de fonte segura: O Neymar e o Daniel Alves não queriam trabalhar com o Dunga. Eles não queriam estar jogando, não queriam estar ali. A maior virtude do Tite é essa. O Dunga era uma liderança que não tinha mais voz ativa. Uma liderança que os caras não queriam. Aí vem um cara que te aconselha, te abraça, chega e bota o grupo juntinho. Você vê a foto no avião, todo mundo junto. Esse é o ponto e eu posso garantir seguramente”, contou o eterno Pé de Anjo, dando mais detalhes que ajudam a explicar o momento da Seleção.

“O cara pode ter o nome que for. Se não tiver empatia dos atletas, não vai fluir”, disse. “O Tite convocou o Paulinho e o Giuliano. O grupo pensa: ‘vamos ver se vai jogar’. Foi (o Tite) e bancou o Paulinho, que conseguiu render. O grupo sabe quem é o lateral direito, o zagueiro, o goleiro… O grupo sabe quem tem garrafa vazia para vender, sabe quem tem o talento. Como ele consegue recuperar o Giuliano de uma hora para outra na Seleção?”, completou Marcelinho.

Paulo Zagallo, filho do Velho Lobo, concordou que a atitude dos atletas brasileiros em campo mudou desde que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) decidiu mudar o comando técnico.

Mudanças: Willian substitui Neymar, e Paulinho barra Giuliano em treino da Seleção

Retorno previsto? Luisão despista sobre volta ao futebol brasileiro após amistoso na Vila

Perigo: James Rodríguez recebe ameaças de morte e mãe do colombiano denuncia

“Uma coisa que você nota agora é que a Seleção está mais solta, mais leve. Os jogadores mais criativos, com mais liberdade e com mais vontade. Quando perde a posse, o time tem recomposição. Até Neymar vem marcar. O Gabriel Jesus tem liberdade, se movimenta, vem Neymar, passa o Philippe Coutinho, chega o Renato Augusto. A equipe está mais leve, tem mais vontade”, observou Paulo Zagallo.

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!
Publicidade