Com ajuda brasileira, trio africano faz história e conquista vaga olímpica inédita na canoagem

Com ajuda brasileira, trio africano faz história e conquista vaga olímpica inédita na canoagem

Mussa Chamaune e Joaquim Lobo, de Moçambique, e Bully Triste, de São Tomé e Príncipe, contaram com o treinamento do brasileiro Figueroa Conceição e com a infraestrutura do Centro de Treinamento de Curitiba em sua preparação

FOX Sports

Com participação direta do Brasil, três atletas africanos conquistaram pela primeira vez uma vaga em uma Olimpíada. Treinados pelo brasileiro Figueroa Conceição Souza, Mussa Chamaune e Joaquim Lobo, de Moçambique, e Bully Triste, de São Tomé e Príncipe, conquistaram, por meio do Campeonato Africano de Canoagem Velocidade, a chance de representarem seus países nos Jogos do Rio de Janeiro.

A história dos três países foi entralaçada por meio de um intercâmbio entre as federações, proporcionando aos atletas africanos a chace de desfrutarem da estrutura do Centro de Treinamento de Canoagem Velocidade, em Curitiba.  Para João Costa Alegre, presidente do Comitê Olímpico de São Tomé e Príncipe, a parceria está ajudando a desenvolver o esporte em seu país.

Saiba mais:

Mudança: São Paulo encarna “espírito de Libertadores” e quer atrair torcida

Polêmica: Infantino nega ter envolvimento com empresas citadas no Panama Papers

Definição: Gilmar Rinaldi confirma manutenção de Dunga no comando da Seleção

“Quero agradecer muito ao presidente João Tomasini [presidente da Confederação Brasileira de Canoagem] e à Canoagem Brasileira. Essa parceria está sendo fundamental para o desenvolvimento da canoa na África. O período de treinamento no Brasil foi muito importante para atingirmos esse feito histórico. O fato de também colocar a canoa de São Tomé e Príncipe como referência no continente africano surpreendeu a todos”, afirmou João Costa.

Assim como Bully Triste, Mussa Chamaune e Joaquim Lobo também serão os primeiros canoístas representando o  seu país em Jogos Olímpicos. Para Figueroa Conceição, a classificação de seus atletas é resultado de um bom trabalho conjunto e, principalmente, da garra do trio africano. “Eles são exemplos de dedicação e, junto com uma boa estrutura oferecida, melhoraram muito. Agora estão colhendo os frutos”, disse o comandante.

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!