De De La Hoya a Pacquiao as 5 lutas mais marcantes de Mayweather

De Pacquiao a De la Hoya, as 5 lutas mais marcantes de Mayweather

Às vésperas da aposentadoria, pugilista quer a 49ª vitória na carreira. Pelo caminho, milhões de reais na conta e nocaute nada ortodoxos. Veja

FOX Sports

Invicto desde que iniciou carreira profissional, Floyd Mayweather Jr. (48-0), o maior pugilista da atualidade, fará seu combate de despedida neste sábado (12 de setembro), contra Andre Berto, em Las Vegas (EUA). Além do “cartel perfeito”, o duelo valerá dois títulos mundiais dos meio-médios e o cinturão simbólico da The Ring, revista especializada em boxe e conceituada a ponto de criar ranking que organiza as categorias. FOX Sports e FOXPlay.com transmitirão a luta ao vivo, a partir das 21h.

Para aquecer o embate, o FOXSports.com.br lembra as cinco apresentações mais marcantes da estrela, campeão mundial por 12 vezes em cinco categorias diferentes, de superpena a médio-ligeiro – contra Berto, estarão em jogo os títulos do Conselho Mundial de Boxe e da Associação Mundial de Boxe.

Veja abaixo as lutas escolhidas:

5. Floyd Mayweather Jr. vs. Manny Pacquiao - 2015
- Vitória por decisão unânime (118–110, 116–112, e 116–112)
- Defendeu cinturões meio-médios da AMB e do CMB; conquistou o da OMB 

Não à toa, o duelo entre "Money" e "Pacman" foi tratado como a "Luta do Século". Também não sem motivos, foi o embate que mais movimentou dinheiro na história do boxe - Floyd faturou R$ 945 milhões, enquanto Pacquiao, R$ 504 mi. São eles os pugilistas mais reconhecidos do cenário atual e, para além disso, a negociação para enfim subirem juntos no ringue durou desde 2009 até 2015, o que só fez aumentar expectativa. 

Pacquiao, agressivo e veloz, era considerado o antídoto do multicampeão. Como de costume, o norte-americano tinha também torcida desfavorável mesmo no seu próprio país. Mayweather superou todas as adversidades com a receita de sempre: esquiva afiada e contragolpes. Floyd tem pouco punch para nocautear, mas, com mãos ligeiras e preparo físico invejável, dominou pelo menos quatro rounds a mais do que o rival. Foi suficiente para impressionar os juizes, que concederam triunfo por decisão unânime (118–110, 116–112, and 116–112)

O filipino questionou o resultado logo após o gongo final, mas os números oficiais do confronto eliminaram as dúvidas: Floyd, por exemplo, conectou 148 socos no rival, que encaixou apenas 81.   

Alternativa: Dorival perde Thiago Maia, mas vê resposta do grupo nas adversidades

Lotou: Com ingressos esgotados, Tite pede ajuda da Fiel contra o Joinville

Falta talento! Osorio credita derrota no clássico à “ausência de jogadores de qualidade”

4. Floyd Mayweather Jr. vs. Victor Ortiz - 2011
- Vitória por nocaute no 4º round
- levou cinturão meio-médio do CMB 

Brilhante defensivamente, "Money" não empolga nos ataques. É justo ressaltar o quanto é preciso nos golpes, mas há de se dizer: é difícil vê-lo nocautear um adversário, o que é frustrante para o torcedor - especialmente para o que acompanha casualmente o esporte. O último rival de Floyd a beijar a lona foi Ortiz, ainda em 2007. E os métodos da estrela não foram lá muito ortodoxos...

Mayweather havia sido atingido por cabeçada de Victor, golpe irregular, quando o árbitro Joe Cortez pediu interrupção para atendimento médico. Recuperado, deu aval para o reinício do embate. O juiz juntou os oponentes no centro do ringue e pediu cumprimento para selar o pedido de desculpas do desafiante. Ortiz estendeu o braço, mas o campeão não - em vez disso, pegou o adversário despreparado e de guarda baixa para conectar um cruzado de esquerda e um direto de direita. Fim de papo.

Criticado pela atitude, Floyd justificou: “Um lutador tem que se proteger a todo o tempo”.

A saber, o último nocaute "de fato e de direito" aplicado por "Money" também data de 2007. Em dezembro daquele ano, derrubou Ricky Hatton no décimo round. Ao todo, são 26 triunfos conquistados desta forma em 48 apresentações.  

3. Floyd Mayweather Jr. vs. Saul “Canelo” Alvarez - 2013
- Vitória por decisão majoritária (114-114, 116-112 e 117-111) 
- Defendeu cinturão médio ligeiro da AMB; Levou o do CMB 

De tempos em tempos, Floyd sempre se depara com alguém descrito como "adversário mais difícil para o seu estilo de jogo". Jovem, mas também experiente, o mexicano "Canelo" Alvarez, pugilista pegador - definição para aqueles de socos fortes -, foi o da vez em 2013. O combate de médios ligeiros opôs invictos pela unificação dos cinturões do CMB, até então com Saul, e da AMB, de Mayweather.

A pergunta era: "Money", jamais derrubado, aguentaria a potência de Alvarez, garoto de 23 anos e já com 42 triunfos no cartel? Suportou, e com relativa tranquilidade - ainda que um dos árbitros tenha enxergado empate em 114 a 114. Em duelo empolgante, tratado como "maior luta da história" por parte da mídia especializada norte-americana, o atleta de 38 anos repetiu o de sempre, defesa bem ajustada e contragolpe, e levou por decisão majoritária.   

2. Floyd Mayweather Jr. vs Zab Judah - 2006
- Vitória por decisão unânime (116–112, 117–111 e 119–109)
- Levou cinturão meio-médio da FIB 

"Inimigos declarados" foi o nome dado ao combate entre dois rivais que aqueceram o evento com provocações ácidas. Zab Judah, à época, era campeão meio-médio da Federação Internacional de Boxe, título que perdeu para Floyd justamente neste combate, via decisão unânime. Não foi pelo que aconteceu dentro das regras do boxe que o duelo ficou marcado, contudo. 

Não só os lutadores estavam com ânimos exaltados, mas também seus staffs. Judah deu início à confusão no 10º round, com golpe baixo que obrigou interrupção da luta para recuperação de "Money". Neste intervalo, Roger Mayweather, tio e treinador do atleta, invadiu o ringue para tirar satisfação com o rival, que foi defendido pelo seu pai, Yoel Judah. Deu-se o tumulto: a segurança do evento teve de intervir e não foi suficiente - só a Polícia coseguiu apaziguar a briga.

1. Floyd Mayweather Jr. vs. Oscar De La Roya - 2007
- Vitória por decisão dividida (116–112, 115–113 e 115–113 [de la Hoya])
- Levou cinturão médio ligeiro do CMB 

Oscar de la Hoya, hoje rival de Floyd nos negócios, também já disputou posição com o atleta dentro dos ringues. Pode-se dizer até que foi quem mais chegou perto de batê-lo: foi o único a arrancar de "Money" uma decisão dividida - e não unânime, majoritária ou via nocaute. Ainda que todos os números provem triunfo justo de Mayweather, o "Menino de Ouro" jamais aceitou a derrota que lhe custou o cinturão médio-ligeiro do CMB. 

De la Hoya de fato começou mais agressivo, cortando espaços no tablado e atacando forte. Parou nas esquivas de Floyd: a maioria dos golpes atingiu o braço ou o ombro do desafiante, que usa uma versão bem acabada de shoulder roll como tática defensiva - nesta, o pugilista coloca os ombros à frente do corpo e usa apenas a própria rotação para se proteger, o que libera suas mãos para o contragolpe. O então campeão sofreu com isso. O duelo estava equilibrado já por volta do sexto round e terminou com domínio de Mayweather. Nas papeletas, 116–112, 115–113 e 115–113 (De La Hoya).  

Os números oficiais do embate comprovam superioridade vencedor. 207 contra 122 em golpes totais para "Money", que ainda encaixou 134 contra 82 na contagem de socos fortes. Após a apresentação de gala, ele declarou que se aposentaria por não encontrar desafios à altura. Isso em maio de 2007. Após sete meses, voltou à ativa contra o britânico Ricky Hatton e emplacou mais 10 triunfos. 

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!