Atlético MG 2 x  0 Newells Old Boys pela semfinal da Libertadores

Atlético-MG faz história, derrota Newell’s nos pênaltis e chega à final

Bernard e Guilherme foram os autores dos gols no tempo regular. Victor defendeu batida de Maxi Rodrígues para levar o Galo para a decisão

Gazeta Press

Foi dramático, mas a torcida do Atlético-MG nunca mais vai esquecer a noite desta quarta-feira (10 de julho), isso porque, o clube vai decidir a Copa Bridgestone Libertadores pela primeira vez na história. O Galo venceu o Newell’s Old Boys por 2 a 0, no Independência, mesmo placar do jogo de ida na Argentina. O resultado levou à decisão para os pênaltis, com vitória atleticana por 3 a 2, levando centenas de torcedores as lágrimas no Horto.

A força do Horto apareceu logo no começo da partida, com um gol de Bernard, que recebeu assistência perfeita de Ronaldinho. O Galo pressionou muito no restante do primeiro tempo, mas só conseguiu ampliar o marcador no final do segundo tempo. Guilherme em um chute de fora da área levou o Galo para a decisão por pênaltis. Nas cobranças coube ao craque Ronaldinho Gaúcho marcar e Victor defender a última cobrança de Maxi Rodríguez levando o Horto ao êxtase total.

Classificado para inédita decisão da Libertadores, o Atlético-MG já sabe que vai enfrentar os paraguaios do Olímpia, mas antes, o Galo terá compromisso pelo Brasileiro, enfrentando o Corinthians, domingo, no Pacaembu. A tendência é o técnico Cuca poupar o time diante dos paulistas.

Confira mais: David Villa posta foto vestindo camisa do Atlético de Madrid

Messi e companheiros do Barcelona curtem férias em Ibiza

UFC 162: Weidman nocauteia Anderson Silva. Veja

O jogo – A partida não poderia ter começado melhor para o Atlético-MG no Independência. Logo aos três minutos, brilhou a estrela de Ronaldinho Gaúcho, que deu assistência perfeita para Bernard, que tocou na saída do goleiro Guzmán, abrindo o placar no Horto e levando o torcedor atleticano à loucura nas arquibancadas.

O gol logo no início deu moral para o Galo, que intensificou a pressão, acuando os argentinos no campo de defesa. Dominando a partida, os alvinegros promoveram uma verdadeira blitz o Newell’s, com finalizações de Jô e Marcos Rocha, que assustaram o goleiro da equipe visitante.

Além da pressão atleticana, os argentinos tiveram que lidar com um apitaço da torcida do Galo, que usou milhares de apitos sempre que um jogador do Newell’s tocava a bola. Após os protocolares 15 minutos de sufoco dos donos da casa, o time de Rosário tentou sair um pouco do campo defensivo, mas conseguiu criar pouco, fruto da boa marcação alvinegra.

A primeira oportunidade de gol do Newell’s Old Boys só apareceu aos 27, quando Marcos Rocha bobeou e permitiu um tiro cruzado de Maxi Rodríguez, que obrigou Victor a fazer grande defesa. Após este lance, o Galo voltou a agredir, girando a bola de um lado para o outro na tentativa de encontrar espaços na zaga dos Leprosos.

A chance apareceu com Bernard, que mostrou qualidade para dominar uma bola difícil e finalizar para excelente defesa de Guzmán. Na sequência, Bernard deixou Tardelli na cara do goleiro argentino, que saiu bem do gol evitando a ampliação do marcador. Na jogada Guzmán sentiu uma lesão e tentou esfriar o ímpeto do Atlético-MG.

A estratégia não surtiu efeito, porque aos 48, Josué apareceu como elemento surpresa e desperdiçou uma oportunidade clara de gol. Aos 52, os jogadores do Atlético-MG reclamaram muito de um possível pênalti em cima do atacante Jô, que teria sido empurrado dentro da área. O meia-atacante Bernard, inclusive foi advertido com cartão amarelo, pelo excesso na reclamação.

Na volta para o segundo tempo, o Newell’s Old Boys não ficou restrito ao campo de defesa, criando algumas oportunidades e aumentando a tensão em cima do Galo. Aos poucos, o nervosismo começou a tomar conta dos jogadores do Atlético-MG, que erraram algumas jogadas, que em condições normais dificilmente aconteceria.

Sentindo o momento ruim do time em campo, a torcida alvinegra que chegou a ficar apreensiva nas arquibancadas voltou a apoiar a equipe. Com isso, o Galo voltou a ter o controle da posse de bola, mas com problemas na eficiente marcação argentina, que levou a melhor em várias ocasiões contra o quarteto ofensivo dos atleticanos.

Com o craque R10 aparecendo pouco na partida, os donos da casa falharam muito na saída da bola, tentando a ligação direta da defesa para o ataque, mas sem muito sucesso, o que aumentou ainda mais a tensão. Para deixar o time mais ofensivo, Cuca sacou o volante Pierre para entrada de Luan, logo na sequência, o jogo foi interrompido por falha nos refletores do Independência.

O treinador alvinegro aproveitou a parada forçada para reunir os jogadores no meio-campo e orientar os comandados. Aos 48, Luan rolou para Guilherme, que da entrada da área finalizou cruzado, com a bola passando próximo da trave esquerda de Guzmán. Aos 50, Guilherme não errou, e de fora da área fuzilou o goleiro do Newell’s recolocando o Atlético-MG na partida.

O resultado de 2 a 0, levou a decisão da vaga para a final da Libertadores nos pênaltis. Nas cobranças marcaram para o Galo Alecsandro, Guilherme e Ronaldinho Gaúcho. Para o Newell’s Casco, Cruzado e Maxi Rodríguez perderam dando ao Atlético-MG o direito de decidir a Libertadores.

Publicidade
Link copiado para a área de transferência!