Ex-volante da Seleção troca futebol por cachaçaria

Mozart, que já passou por Palmeiras e Flamengo, pendurou as chuteiras e, atualmente, produz e exporta cachaça

93935
False

Ganhar a vida com futebol e cachaça pode ser a vontade de muitos brasileiros. Mozart, ex-jogador que passou pelo Paraná, Coritiba, Flamengo, Palmeiras e Seleção, conseguiu unir as duas coisas na sua vida profissional e falou ao FOXSports.com.br sobre o novo ramo da sua carreira.

Mesmo antes de se aposentar, em 2009, por problemas no joelho esquerdo, Mozart começou a investir na produção de cachaça. A família de sua mulher, Isabela, já tinha tradição no segmento na cidade de Morretes, que é conhecida pela produção da bebida. O curitibano, então, juntou o ‘útil ao agradável’, como ele mesmo disse, e se tornou sócio da cachaçaria Porto Morretes, desde 2005. “Eu tive uma proposta de investimento dos antigos sócios dois anos após ela ser fundada. A Porto Morretes precisava de investimento, principalmente na parte do marketing, que é a área em que eu atuo”.

E da mesma maneira que ganhou títulos no campo, Mozart conquistou prêmios com o novo negócio. As cachaças da Porto Morretes, que são 100% orgânicas, ganharam três medalhas do Concurso Mundial de Bruxelas, em 2012. A vencedora da grande medalha de ouro, que segue a tradição de 100 anos da família da sua mulher, vai receber uma homenagem do ex-jogador: “O nome dela é Tradição, mas vamos batizá-la com o nome do avô da minha esposa, que fabricou cachaça por muito tempo. Ela se chamará “Tradição Carlos Alberto Gnata.”.

Veja também: Top 5: Assista aos gols mais bonitos da Libertadores até agora

Os dribles mais difíceis da carreira de Ronaldo Fenômeno

Os possíveis novos uniformes de times ingleses

Como o ex-volante, que saiu do Brasil para jogar em times como Bordeaux, da França, Reggina e Livorno, da Itália, e Spartak, da Rússia, a Porto Morretes conquistou o mundo e teria chegado até Hillary Clinton, ex-secretária de Estado dos Estados Unidos:“ Os grandes bartenders dos Estados Unidos vêm usando nossa cachaça para fazer coquetéis, e um deles usou nossa cachaça Ouro na recepção da Hilary Clinton. Foi um momento marcante para nós. Se ela tomou, espero que tenha gostado’.

O ex-jogador, que prefere cerveja e vinho, mas que bebe cachaça em ocasiões especiais e tem a Ouro como sua preferida, terá que deixar um pouco de lado a Porto Morretes para retornar a outra paixão do brasileiro. Afastado do futebol desde a aposentadoria, em 2009, Mozart será técnico do Canoinhas e disputará a série B do Catarinense. Como espelho para esse novo desafio, Mozart tem o técnico Vanderlei Luxemburgo e espera ser o mais competitivo possível. Focado na carreira de técnico, o jogador não largará a cachaçaria: “Vai ser difícil acompanhar o dia-a-dia de lá, mas participarei das decisões mais importantes”.

(Reportagem de Mariana Rizzatto)

Deixe seu comentário