Gallardo se torna Rei do Superclássico com triunfo monumental do River sobre o Boca na Libertadores

Time do treinador abriu 2 a 0 em casa no duelo de ida da semifinal e segue invicto na competição

427299
Compartilhar vídeo
Inserir vídeo
Tamanho do vídeo

O River Plate foi superior ao Boca Juniors nos primeiros 90 minutos do Superclássico argentino, nesta terça-feira (1 de outubro), que decide uma vaga para a final da Libertadores da América. Atual campeão, o time comandado por Marcelo Gallardo aproveitou o fator casa e fez dois gols no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires.

O primeiro deles após o auxílio do VAR. O árbitro brasileiro Raphael Claus reviu uma falta em Borré dentro da área e anotou pênalti. O próprio jogador bateu e botou fogo no estádio do Millonario com 70 mil torcedores.

O VAR também teve atuação decisiva na expulsão de Capaldo. Nos acréscimos o meia do Boca chegou atrasado, acertou Enzo Pérez e recebeu o cartão amarelo. Raphael Claus voltou atrás após análise do árbitro de vídeo e expulsou o jogador.

O camisa 14 teve oportunidade para marcar o gol mais fácil do jogo. Aconteceu nos minutos finais do primeiro tempo. Ex-cruzeiro, Ramon Ábila tocou para Capaldo, cara a cara com o goleiro Armani, perder um gol incrível ao chutar por cima. Um lance desesperador e que poderia ter mudado a história da partida.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Gringos elegem os cinco maiores do Brasil; veja o resultado

Com domínio absoluto, o River Plate chegou ao segundo gol aos 24 minutos do segundo tempo. Ignacio Fernández iniciou a jogada pelo meio, abriu para Suárez e recebeu um ótimo cruzamento de volta para fazer a festa da torcida no Monumental.

O placar poderia ter sido mais elástico. Antes, o River havia acertado uma bola sem querer na trave em lance de Montiel. E o excelente goleiro Andrada fez outras boas defesas e evitou o pior para o Boca.

Carlos Alberto toma uma guilhotina em aula de MMA com equipe do FOX Fight Club, veja

Marcelo Gallardo comanda há cinco anos o River. Nesse período, disputou quatro semifinais e conquistou duas vezes o título da Libertadores como técnico (2015 e 2018). O ex-camisa 10, que havia faturado uma taça como jogador em 1996, se tornou o treinador com mais triunfos no Superclássico, em duelos da competição continental, com três vitórias sobre o Boca Juniors.

O River tem mais números poderosos: completou 14 jogos sem perder na Libertadores. E igualou a maior série do Boca sem derrotas no Superclássico: seis, entre 1970 a 1982.

A vitória sobre o Boca também elevou para 16 o número de jogos do River Plate sem perder para os grandes clubes argentinos: 12 vitórias e quatro empates. O River não é derrotado desde 18 de novembro de 2017, quando o Independiente fez 1 a 0 em Avellaneda, gol de Nicolás Domingo.

Uma outra curiosidade: em 10 jogos nessa edição da Libertadores, o River não foi derrotado e segue invicto com apenas três vitórias e sete empates.

No histórico da Libertadores, o River diminuiu para um a diferença do Boca. Em 26 jogos, 10 vitórias do Boca, sete empates e nove vitórias do River.

Com o resultado do primeiro duelo da semifinal, o River Plate pode até perder por um gol de diferença na volta que garante a vaga na decisão. Mas se tratando do maior clássico sul-americano, nada está decidido. O segundo jogo será no dia 22 de outubro, em La Bombonera.

E nesta quarta-feira (2 de outubro) é dia de ver qual brasileiro largará na frente na decisão da semifinal da Libertadores! Grêmio x Flamengo, ao vivo e exclusivo, a partir de 20h30, nos canais FOX Sports.

Leia também!

CR7 surpreende em prazo que pretende se aposentar

Teste seus conhecimentos sobre os semifinalistas da Libertadores

Diniz toma medida surpreendente com medalhão do São Paulo

(Crédito da imagem: Divulgação/Instagram)