Comparar o Flamengo de 2019 com o de 1987 é possível?

Atual líder do Campeonato Brasileiro, Rubro-Negro atual joga um futebol vistoso que encanta a torcida, assim como o de 87. Veja a análise

423902
False

O Flamengo vive um momento especial sob o comando do técnico Jorge Jesus. Semifinalista da Conmebol Libertadores, o rubro-negro também encanta no Brasileirão. Está no topo. Além dos resultados, o Flamengo mostra um futebol convincente.

Com um dos elencos mais caros do país, ao lado do Palmeiras, o Flamengo dá ao treinador português inúmeras possibilidades de montar a equipe. Alguns exagerados e entusiasmados torcedores rubro-negros chegaram a comparar o time de hoje com o Super Flamengo de 1981.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Aquele Flamengo do começo dos anos 80 tinha o genial Zico em seu melhor momento da carreira e conquistou inúmeros títulos. Vale destacar a Libertadores e o Mundial de 1981, mas também os Brasileirões de 1980 (venceu o Atlético Mineiro, do artilheiro Reinaldo), de 1982 (bateu o Grêmio, do goleiro Leão, e deu a volta olímpica em pleno estádio Olímpico) e de 1983 (superou o Santos, do goleador Serginho Chulapa).

Em minha opinião, claro que não há como comparar o Fla-2019 com aquele time vencedor de 1980 até 1983 (era a mesma base). E sequer dá para fazer com o de 1987, que também tinha Zico e que venceu na final da Copa União o Internacional, do goleiro Taffarel. Então, aqui no “Baú do Micheletti”, resgato não só o time titular do Fla 1987, mas também alguns jogadores daquele elenco comandado pelo técnico Carlinhos.

Fla ou Grêmio? PVC, Benja e companhia elegem quem tem o futebol mais bonito do país

ZÉ CARLOS (GOLEIRO) – O saudoso goleiro viveu grande momento do Flamengo nos anos 80. Além da Copa União de 1987, ele ganhou outros títulos pelo clube. Destaques para os três campeonatos estaduais e a Copa do Brasil de 1990. Zé Carlos fez parte da seleção brasileira que disputou a Copa do Mundo de 1990, na Itália. Morreu aos 47 anos, vítima de câncer.

JORGINHO (LATERAL-DIREITO) – Veio do América para o Flamengo justamente para substituir o craque Leandro, que foi deslocado para a zaga. Se não era tão bom quanto Leandro, Jorginho foi, sem dúvida, um jogador diferenciado e vencedor também. Fez parte da seleção brasileira tetracampeã mundial em 1994. No Brasil, atuou também por São Paulo, Vasco e Fluminense.

LEANDRO (ZAGUEIRO) – Lateral-direito de origem, aliás um dos melhores da posição em todos os tempos, Leandro já sofria com os problemas no joelho e foi deslocado para a zaga-central na metade dos anos 80. Cria do clube, Leandro era dono de um futebol refinado. Tinha ainda muito conhecimento tático. Muitas vezes virava um meia, com ótima saída de bola.

EDINHO (QUARTO-ZAGUEIRO) – Fez fama no rival Fluminense no final dos anos 70. Criado no clube das Laranjeiras, Edinho se destacou ainda na Udinese, da Itália, ao lado de Zico, antes de chegar ao time da Gávea em 1987. Fez parte da seleção brasileira nas Copas do Mundo de 1978 (chegou a ser improvisado como lateral-esquerdo), 1982 e 1986.

LEONARDO (LATERAL-ESQUERDO) – Era o “caçula” daquele time do Flamengo campeão da Copa União de 1987. Leonardo também foi outra cria rubro-negra que ganhou destaque no cenário futebolístico brasileiro e mundial. Fez parte da seleção brasileira campeão mundial em 1994, nos Estados Unidos. No Brasil, Leonardo também atuou com sucesso no São Paulo.

ANDRADE (VOLANTE) – Um dos melhores volantes da história do Flamengo, Andrade é também um dos jogadores mais vezes campeão da história do Brasileirão. Faturou quatro com o Fla (1980, 1982, 1983 e 1987) e ainda fez parte do elenco vascaíno que ganhou o título nacional em 1989. Como técnico do Fla, em 2009, voltou a ser campeão brasileiro.

AILTON (MEIA) – Considerado um jogador versátil e extremamente “pé-quente”, Ailton tinha pouca experiência no time profissional do Flamengo quando disputou a Copa União de 1987. Tinha enorme responsabilidade: vestir a camisa 8 que tinha sido de Adílio. Foi bem no começo. Depois ganhou títulos importantes por Fluminense (contra o próprio Fla) e pelo Grêmio.

ZICO (MEIA) – Dispensa comentários e análises. O Galinho de Quintino é o maior jogador da história do Flamengo. Vale destacar em 1987 que Zico tinha se recuperado de grave lesão no joelho, que quase o tirou da Copa do Mundo de 1986. O camisa 10 foi essencial para a equipe conquistar o título da Copa União de 1987.

RENATO GAÚCHO (PONTA-DIREITA) – Hoje técnico do Grêmio, Renato Portaluppi, o Renato Gaúcho, foi um dos melhores jogadores daquele Flamengo campeão da Copa União de 1987. O camisa 7 fez a diferença principalmente na reta final, quando teve exibições de gala contra o Atlético Mineiro (semifinais) e Internacional (finais).

BEBETO (ATACANTE) – O ótimo Bebeto atuava com a camisa 9 naquele time, mas não era o centroavante fixo. Jogador de grande mobilidade, Bebeto também brilhou muito naquela Copa União. Fez o gol do título da Copa União, no Maracanã, vencendo o goleiro Taffarel, companheiro dele na vencedora seleção brasileira campeão mundial em 1994.

ZINHO (PONTA-ESQUERDA) – Quando foi lançado no time principal do Fla, Zinho era um ponta-esquerda clássico, driblador e que costumava chegar à linha de fundo. Com o passar do tempo, ele se tornou um importante jogador-tático, fazendo o papel de quarto homem do meio de campo ou meia-armador. Campeão mundial pela seleção em 1994. Vencedor por onde passou.

CARLINHOS (TÉCNICO) – Ex-jogador do Flamengo nos anos 50 e 60, ganhador do prêmio Belfort Duarte (por nunca ter sido expulso), o saudoso Carlinhos Violino é um dos maiores nomes da história do rubro-negro. Além de ter sido um craque como atleta, Carlinhos foi técnico do Flamengo em dois títulos brasileiros: 1987 e 1992.

CANTARELI (GOLEIRO) – Um dos arqueiros que mais atuou com o camisa do Flamengo, Cantareli foi diversas vezes suplente em importantes conquistas do rubro-negro. Reserva de Raul, Fishol e também de Zé Carlos, como naquela Copa União de 1987. Jogou a carreira inteira praticamente no Flamengo. Teve rápida passagem pelo Náutico.

LEANDRO SILVA (LATERAL-DIREITO) – Criado no Flamengo, Leandro Silva tinha facilidade para atuar nas duas laterais. Nunca se firmou como titular do rubro-negro. Chegou a ter passagens melhores por Santa Cruz e Botafogo de Ribeirão Preto. Atuou ainda no Corinthians, após mostrar bom futebol no time do interior paulista.

ALDAIR (ZAGUEIRO) – Mais um craque que o Flamengo fez em casa. Zagueiro extremamente técnico, Aldair se firmou pouco depois como titular do rubro-negro e meteoricamente chegou à seleção brasileira. Foi o zagueiro-central titular da seleção tetracampeã mundial em 1994. Tornou-se ídolo da torcida da Roma, da Itália.

GUTO (ZAGUEIRO) – Mais um jogador criado na base do Flamengo. Guto fez parte de seleções brasileiras de base, mas nunca conseguiu se firmar no clube. Era um dos zagueiros reservas do rubro-negro naquela conquista da Copa União de 1987.

AIRTON (LATERAL-ESQUERDO) – O rodado lateral-esquerdo, que teve passagens ainda por Vasco da Gama, América, São Paulo, Grêmio e Sport Recife, era uma das opções do técnico Carlinhos Violino naquele elenco vencedor de 1987. Morreu recentemente aos 60 anos.

ZÉ CARLOS II (ZAGUEIRO E VOLANTE) – Mais um jogador versátil que fazia parte do elenco do Flamengo. Era zagueiro de origem, mas podia atuar como médio-volante.

FLÁVIO (VOLANTE E MEIA) – Surgiu como um meia no Flamengo, mas depois recuou e virou volante. Tinha boa técnica e facilidade nas bolas aéreas, pois era magro e alto. Deixou o rubro-negro para defender o São Paulo em 1988. No time do Morumbi, ele viveu seus melhores dias. Também foi bem no final de carreira defendendo o Juventude (RS).

VANDICK (ATACANTE) – Um dos grandes ídolos da história do Paysandu, Vandick teve rápida passagem pelo Flamengo e atuou pouco na campanha vitoriosa da Copa União de 1987.

ALCINDO (ATACANTE) – Revelado pelo Flamengo, Alcindo Sartori teve melhor momento na carreira jogando no futebol japonês. Era ponta-direita no começo, mas depois passou a jogar mais centralizado, como meia ou centroavante. No Brasil, ele também vestiu as camisas do São Paulo, Grêmio, Corinthians e Fluminense.

KITA (CENTROAVANTE) – O saudoso artilheiro Kita chegou ao Fla após ter sido destaque da surpreendente Internacional de Limeira, campeão paulista em 1986. Mas o começo de carreira não foi no interior paulista e sim no Rio Grande do Sul. Em 1984, quando estava no Inter, foi convocado para a seleção olímpica, medalha de prata. Atuou ainda na Lusa e no Grêmio.

NUNES (CENTROAVANTE) – Assim como Kita, o experiente Nunes era outro camisa 9 badalado que estava no banco daquele Flamengo campeão da Copa União de 1987. Heroi do rubro-negro nas conquistas do Brasileiro de 1980 e do Mundial de 1981, Nunes foi um dos reservas de Bebeto naquela temporada.

Gringos elegem os cinco maiores do Brasil; veja o resultado

Brasil Futebol Expo reúne indústria do futebol de 4 a 8 de setembro

FLAMENGO ATUAL X FLAMENGO COPA UNIÃO 1987

Agora, uma comparação, entre os times principais de 2019 e 1987:

DIEGO ALVES X ZÉ CARLOS – Ganha o saudoso Zé Carlos. 1987 1x0 2019.

RAFINHA X JORGINHO – Duelo equilibrado. Mas Jorginho vence. 2 a 0 para 1987.

RODRIGO CAIO X LEANDRO – Rodrigo Caio vive grande fase, mas Leandro é Leandro. Ou na lateral, ou na zaga. Três a zero para o Flamengo de 1987.

PABLO MARI X EDINHO – O zagueiro espanhol deu estabilidade ao setor defensivo do Flamengo e forma grande dupla com Rodrigo Caio. Mas Edinho era jogador nível seleção brasileira. Por isso, Flamengo 1987 quatro a zero.

FILIPE LUÍS X LEONARDO – Como em 1987 Leonardo era ainda uma promessa e hoje Filipe Luís é um jogador já consagrado, eu fico com o atual lateral-esquerdo do Flamengo. Mas Leonardo foi mais jogador na posição. 4 a 1 para o Flamengo 1987.

ARÃO X ANDRADE – Não há necessidade de comparação. Andrade tranquilamente, sem desmerecer Arão. Então, 5 a 1 para o Flamengo 1987.

GERSON X AILTON – Do jeito que está jogando, Gerson merece até uma chance na seleção brasileira. Meio-campo versátil, Gerson pode atuar como segundo volante ou meia. 5 a 2 para o Flamengo de 1987.

ARRASCAETA X ZICO – Pula. Arrascaeta joga muito, mas não podemos compará-lo ao Galinho. 6 a 2 para o Fla de 1987.

EVERTON RIBEIRO X RENATO GAÚCHO – Gosto muito do futebol do atual camisa 7 do Fla, que não é um ponta-direita e sim um meia que joga por aquele lado. Só que Renato Gaúcho era craque. Ganha o Fla de 1987 outra vez. 7 a 2 agora no placar.

GABIGOL X BEBETO – O ex-santista caiu nas graças do torcedor do Flamengo. Vive um momento especial. É mesmo um artilheiro. Mas Bebeto já era diferenciado em 1987. Por isso, Flamengo de 87 vence por 8 a 2.

BRUNO HENRIQUE X ZINHO – Bruno Henrique é hoje um dos jogadores mais importantes do Flamengo. Tem feito a diferença principalmente nos jogos da Libertadores. Zinho, que teve uma carreira sensacional, ainda era muito jovem em 1987. Pode ser usado o mesmo critério da lateral-esquerda (com Leonardo e Filipe Luís). 8 a 3 para o Fla de 1987.

Leia também!

Mbappé se torna principal prioridade de Zidane para próximas janelas

Flamengo ganha concorrência europeia pesada para ter Gabigol 

Presidente do Barcelona dá declaração que pode fazer Neymar sonhar com retorno

Crédito da imagem: Alexandre Vidal/Flamengo

Deixe seu comentário