Ex-Vasco brilha no Campeonato Japonês e sonha com título do outro lado do mundo

Lateral Elsinho falou sobre a possibilidade de retornar ao futebol brasileiro num futuro próximo e sonha com algum clube da Série A

379731
False

Ocupando a ponta da tabela de classificação do Campeonato Japonês com 56 pontos, o Kawasaki Frontale segue firme em busca do segundo título da competição seguido. Um dos principais jogadores do clube há quatro temporadas, o lateral Elsinho, ex-Vasco e América-MG, falou sobre a expectativa para conquistar esse troféu.

“Nossa equipe tem feito uma grande J-League, de alto nível, e sabe que pode conquistar esse título novamente. Só depende da gente. Temos que manter essa intensidade agora para permanecermos firmes na liderança até a última rodada. Queremos terminar o ano com o título da competição”, disse.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Cruzeiro recebe o Boca por vaga na semi da Libertadores

Ainda segundo o atleta, que tem quase 150 jogos com a camisa do Frontale, esses anos no Japão fizeram muito bem para ele e sua família.

“Estou muito feliz com tudo que vem acontecendo comigo desde que cheguei no Japão há quatro anos. Evoluí muito nos últimos anos e tenho muito orgulho da história que construí com a camisa do Frontale, que é um dos grandes clubes da Ásia. Vou continuar trabalhando firme para terminar 2018 com títulos”.

Milan, Sevilla, Sporting! Como ver online 14 jogos exclusivos da Europa League no APP FOX Sports

Saiba mais:

Desavença entre técnico e jogador no Barça

Felipão escolhe adversário para a final da Libertadores

Antigo Alvo de Fla, Corinthians e GreNal livre no mercado

Com contrato se encerrando ao fim de 2018, Elsinho falou sobre possibilidades do seu futuro.

"Meu contrato com o Frontale se encerra ao fim deste ano. Ainda não conversamos, mas, claro, que tenho um carinho muito grande pelo clube, pela torcida e pela cidade. Se tiver a chance de permanecer, ótimo. Vou ficar muito feliz, mas não descarto a possibilidade de voltar ao Brasil, por exemplo, para jogar uma Série A".

Deixe seu comentário