Nada mudou no Flamengo em 2018

Erros e apatia seguem entrando em campo nesta temporada e o técnico Carpegiani ainda não conseguiu mudar o cenário

346542
False

Não foi pelo resultado de ontem, mas pelo ano de 2017. Falo isso nos programas do FOX Sports e reitero aqui: o Flamengo não mudou em 2018. Claro que algumas peças foram embora, como Muralha, Rafael Vaz e Marcio Araújo, mas isso não seria suficiente para alterar erros pontuais.

A lentidão da zaga rubro-negra segue, assim como a pouca proteção ao sistema defensivo. O poder de criação segue limitado aos jovens, quando os mais experientes têm que pegar a bola e fazer o jogo rodar. As peças mais caras seguem rendendo pouco.

Boca Juniors, Santos e Barcelona, tudo exclusivo: só no FOX Sports

Além destes erros, a apatia segue fazendo parte quando a adversidade aparece no campo. Basta sair um gol do adversário para que a toalha seja jogada e que apenas o grito de “Vamos, vamos” seja dito por um ou outro jogador. Isso é pouco.

Para agravar, a voz da arquibancada está em silêncio. Claro que por culpa de muitos “valentões” travestidos de Flamengo e que só prejudicaram o clube, que eles dizem que amam. Sem torcida no estádio nos dois primeiros jogos, a força extra não vem. O que fazer?

Treinar, não desanimar por um empate e encontrar soluções a curto prazo. E não adianta olhar para a arbitragem para apontar o dedo como se resolvesse tudo assim. O Flamengo é grande e o pensamento precisa ser esse. Fora de campo, a diretoria faz um excelente trabalho nas áreas financeiras e jurídica, mas tecnicamente ainda está a desejar.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

Claro que tudo não pode cair nas costas do técnico Paulo César Carpegiani, que chegou no início da temporada, mas ele precisa atuar, mostrar quanto dói para o torcedor o que vem acontecendo nos últimos anos nas competições internacionais. Não dá para aceitar que tudo é normal.

Quem contrata tem que ser cobrado também, pois a falta de boas opções recai em quem tem o poder da caneta na mão. Com o dinheiro e o centro de inteligência para mapear o mercado que tem, o Flamengo não pode aceitar algumas escolhas feitas e o dinheiro gasto.

Mas nem tudo é erro. A contratação do atacante Henrique Dourado foi bola dentro, mas o dinheiro investido no Guerrero já está comprovado que não. As voltas do zagueiro Juan e do goleiro Julio Cesar são importantes para dar qualidade e identidade ao grupo.

Sinceramente, com esta postura e erros, o Flamengo periga sucumbir, pela quarta vez seguida, na fase de grupos.

Crédito Imagem: Gilvan de Souza / Flamengo

Deixe seu comentário