Fabio Azevedo: Vice na Sul-Americana deve iniciar reflexões profundas do Flamengo para 2018

Hora de lamber as feridas, avaliar a temporada e ajustar o elenco para buscar conquistas no ano que vem

335527
False

Fim da temporada e o vice campeonato na Sul-Americana caiu como uma bomba no Maracanã. Dentro e fora de campo, o som que ecoou foi mais alto que o da torcida, que fez a sua parte. Só que alguns delinquentes preferiram tumultuar, agredir e roubar. A praça de esporte virou uma praça de guerra. O momento é de refletir, avaliar o que deu certo e errado. 

Hora de cobrar o camisa 10, aquele que tem que resolver no momento decisivo. Diego não fez isso, mais uma vez. A diretoria do Flamengo precisa reavaliar este setor. Um camisa 10 tem que chamar o jogo para ele, ser o responsável por desequilibrar uma decisão, algo que Diego não fez em nenhum momento de 2017. O tamanho de um camisa 10 passa pelas grandes decisões. 

Ao contrário dele, o jovem Lucas Paquetá entrou ligado e querendo jogo, Foi o responsável pelas jogadas mais perigosas do Flamengo, fez o gol e apareceu o tempo todo como opção. Paquetá não ficou tocando bola de lado.

Mundial de Clubes e Mundialito de futebol de areia; veja a programação do FOX Sports

Com a ausência do Guerrero, Vizeu assumiu a vaga, mas ainda precisa amadurecer um pouco para ser o camisa 9. No entanto, estes jovens jogadores mais Vinícius Junior, Lincoln e outros que vão subir (Klebinho e Jean Lucas) mostraram que o Flamengo tem futuro e receita. 

Gastar não significa reforçar. A diretoria do Flamengo pecou em algumas peças, como Conca e Geuvânio. Everton Ribeiro vai ter uma pré-temporada para ser melhor avaliado, mas precisa colocar a mão na consciência. Ele acabou na reserva quando dele era esperado muito mais.

Com tempo e tirando algumas peças, Reinaldo Rueda vai ajustar o time do Flamengo. Ter dinheiro não significa ter um time. Para 2018, a diretoria tem que buscar dois laterais (um para cada lado), um zagueiro, um meia e um 9. 

Liberando Pará, Renê, Rafael Vaz, Gabriel, Rômulo, Geuvânio, Muralha e dando espaço para a base, o Flamengo pode fazer um 2018 muito melhor que 2017. Berrío só volta em agosto e Guerrero ainda é uma incógnita pela suspensão por doping.

Veja as últimas do Mercado da Bola e quem pode chegar ao seu time

A conta de saída não precisa ser igual a de entrada. Abra espaço para a base se juntar a alguns bons nomes em 2018, como Tardelli, Pablo e Ricardo Goulart.

Crédito da foto: Gilvan de Souza / Flamengo

Deixe seu comentário