Fabio Azevedo: Saída do Flamengo está na base

A história mostra que o clube sempre tem grandes conquistas quando aposta nas divisões de base

332603
False

“Craque o Flamengo faz em casa” sempre foi um lema vencedor e que faz parte da história do clube. Por muitos anos, as diretorias rasgaram a história e buscaram escrever novos capítulos que não condizem com o que pensa o torcedor. Basta voltar no tempo e encontrar a década de 70, época repleta de futuros craques. 

A geração Zico sofreu para subir, foi derrotada na decisão de 1977, mas venceu com o gol do `Deus da Raça´, Rondinelli, e escreveu a história mais vencedora do Flamengo. Comandados pelo Galinho, Junior, Tita, Adílio, Andrade e tantos outros formados no clube deram a volta ao mundo para conquistar títulos. 

Vieram gerações na sequência sempre com títulos e trazendo dinheiro aos cofres do clube. Mas, a partir da década de 90, os dirigentes resolveram pensar apenas no cofre e esqueceram a parte técnica. Djalminha, Marcelinho, Junior Baiano, Marquinhos, Paulo Nunes e outros foram embora sem brilhar no clube formador.

Valencia x Barcelona em duelo da ponta do Espanhol, Bayern, Juve e muito mais no FOX Sports 

O novo século veio e as promessas têm ficado pelo caminho da mesma forma como na década de 90. Mesclar com nomes consagrados traz grandes resultados, mas o Flamengo não pode abandonar os seus valores ou impedir que eles apareçam trazendo “reforço” de mesma qualidade.

Tirando o Juan e o Vizeu, que está jogando por uma necessidade, mas ninguém, do time titular, veio da base do Flamengo. Claro que a joia Vinícius Junior está à disposição, Lucas Paquetá e o Lincoln também, mas precisa apoiar e dar sequência.

Por exemplo, será que na base não tem um lateral-direito ou esquerdo para 2018? O Ronaldo, que foi emprestado para o Atlético-GO, é inferior aos que estão jogando? Klebinho é um dos destaques na direita e precisa ser olhado pelo Reinaldo Rueda na próxima temporada. Trazer Geuvânio e Conca, por exemplo, tira espaço das crias do Flamengo.

Deixando o Rueda no comando, uma das missões do treinador é conhecer o trabalho na base e garimpar novos talentos, aqueles que vão dar frutos e gerar receita, nesta ordem, para o clube.

Veja também:

PVC: Como jogará o Palmeiras com Roger Machado

O que Fla precisa fazer para inscrever novo goleiro na Sul-Americana

Santos entra na briga com Timão para ter destaque da Série A  

Crédito da foto: Divulgação

Deixe seu comentário