Alemanha faz história e apresenta primeira árbitra da história da Bundesliga

Bibiana Steinhaus já participou de competições oficiais da FIFA, como o Mundial Feminino, Eurocopa Feminina e Champions League Feminina, e agora ingressará no ainda restrito futebol masculino

321809
False

A presença feminina no futebol está cada vez mais frequente e não apenas em competições! Há aumento também no comando de equipes, representação em federações e profissionais de arbitragem.

Real, Bayern, Boca e muito mais no FOX Sports

A Alemanha, ao publicar os nomes para a próxima temporada, apresentou a primeira árbitra da história da Bundesliga. E ela já vai estrear nesse domingo (10/09) na partida entre Hertha Berlim x Werder Bremen. Bibiana Steinhaus tem 38 anos e é policial. Já participou de competições oficiais da FIFA, como o Mundial Feminino, a Eurocopa Feminina e Champions League Feminina, ou seja, uma árbitra conhecida que agora terá essa oportunidade de ingressar no – ainda restrito – futebol masculino. Sobretudo na Europa.

No Brasil, a presença feminina na arbitragem é algo mais comum. Temos representantes em todas as competições oficiais da CBF.
Léa Campos foi quem iniciou a jornada “girl power” do apito no Brasil, em plena Ditadura Militar. Enfrentou muitos desafios até ser convidada pela FIFA, já na década de 1970 para apitar uma partida de futebol feminino. Depois dela, outras surgiram. Uma das que mais se destacou foi Sílvia Regina de Oliveira.

Saiba mais:

Zé Roberto não descarta seguir jogando

Pato se 'assusta' com torcida do Flamengo

Vazam fotos do novo uniforme do Barça

Começou trabalhando em jogos de várzea, até chegar à partidas oficiais no masculino da primeira divisão do Campeonato Paulista e do Brasileiro. Em 2001 passou a integrar o quadro internacional de árbitros da FIFA, onde ficou até 2007, com a jubilação na carreira. Sílvia ainda fez história ao, em 2003, liderar o primeiro quarteto de arbitragem totalmente feminino a comandar um jogo profissional no futebol masculino no mundo. Foi no Campeonato Brasileiro da Série A.

Hoje, por aqui, é mais comum encontrarmos mulheres atuando como árbitras assistentes. Ainda temos um caminho longo a percorrer em busca de mais igualdade no esporte. Fica a torcida para que a alemã Bibiana Steinhaus tenha sucesso na Europa e sirva, assim como Léa Campos, Sílvia Regina e tantas outras, como exemplos e estimulem outras mulheres a ingressar no universo da arbitragem no futebol.

Deixe seu comentário