Marcelinho Carioca relembra título de 1990 na Copa SP

O ídolo do Corinthians e Flamengo revelou como deu um ''migué'' em Telê Santana e arriscou palpite na final histórica

236651
False

Aos 44 anos e avô fresco, o ex-jogador Marcelinho Carioca é considerado um dos maiores craques da história do Corinthians. Mas foi no Flamengo que ele deu o grande salto na carreira.  No time da Gávea, também escreveu uma bonita história. Esse era o seu grande sonho quando começou no Madureira: "Queria jogar em um grande clube e no Maracanã", relembra emocionado.

Em 1988, aos 16 anos, estreou no time profissional do Flamengo no clássico Fla x Flu e substituiu o ídolo maior. Marcelinho tem na cabeça os números daquele jogo: "Minha estreia foi no dia 30/11/88 em uma quarta-feira, às 21h56, aos 11 minutos do primeiro tempo, no lugar do Zico. Vencemos por 1 X 0 gol do Bebeto", conta Marcelinho. 

Chegar ao time profissional e realizar o grande sonho não foi tarefa difícil. O garoto de família pobre, esperto, teve uma ideia arriscada para virar o jogo da vida. A estratégia poderia ter custado caro, mas o seu drible deu certo. Marcelinho revela que mentiu para o técnico Telê Santana observar de perto o seu futebol. "Estava concentrado com a seleção carioca de juniores, mas tinha 16 anos, e idade de juvenil. Sabia que o Telê Santana gostava de molecada e juventude na equipe. Após um treino leve pela manhã da seleção, a tarde era folga e era uma segunda feira, fui até a Gávea dizendo que o Telê tinha me chamado pra comparecer no treino da tarde. Puta migué, risos. Eu tinha duas opções: voltar pra concentração ou ficar pra treinar. Não deu outra. Entrei no vestiário e disse pro roupeiro e supervisor que o Telê havia me chamado. Eles falavam: 'Seu nome não está aqui na lista pra treinar'; 'Não gente mas ele me chamou'. O supervisor falou: 'espera aí que vou ao campo falar com ele'. Telê chegava sempre 1h30 antes do treino e ficava no gramado batendo bola". Enquanto esperava uma resposta, Marcelinho pensava em como aquela situação poderia mudar o seu destino. A resposta veio com um sinal positivo e Marcelinho prometeu correr tanto que a bola seria o seu prato de comida. O resultado em campo foi definitivo para a sua inscrição do time principal da Copa União. "Acabei com o treino. Arrebentei pela ponta-direita em cima do Leonardo, lateral titular e depois fui jogar aberto pela direita e arrebentei também em cima de Josimar e Jorginho", recorda com alegria. Esse jogo mudou a vida de Marcelinho que nunca mais desceu para o time amador.

Em 1990, aos 18 anos, o jogador fez parte do Flamengo campeão da Copa São Paulo. Um time recheado de craques e comandado pelo treinador Paulo Ernesto. Além de Marcelinho, um dos melhores times da história da Copinha, tinha Júnior Baiano, Piá, Marquinhos, Nélio, Paulo Nunes e Djalminha. Alguns deles já faziam parte do elenco profissional do rubro-negro. No torneio, o Flamengo teve uma campanha impressionante com a presença de 36 clubes. O Fla chegou à final com uma derrota, três empates e seis vitórias.  A maior delas uma goleada histórica sobre o Corinthians: 7 x 1, com direito a gol de Djalminha quase do meio-campo. O gol do título foi marcado por Júnior Baiano na  vitória por 1 x 0 sobre o Juventus, aliás, o único a vencer o Flamengo,  em fase anterior. Marcelinho Carioca não participou da final, pois estava com Marquinhos e Paulo Nunes à disposição da seleção sub-20. Mas o Pé de Anjo foi fundamental na campanha vitoriosa da equipe. "Meu grande jogo foi na semifinal contra a Portuguesa onde estávamos perdendo de 1 x 0 e fiz o gol de empate e dai nos classificamos para à final." 

Marcelinho Carioca disputou apenas a Copinha de 1990. Ele sabia que o torneio seria a grande vitrine: "Por isso fomos com sede de vencer. Dali fomos convocados para a seleção Brasileira." Outra lembrança do ex-jogador na Copinha foram as visitas aos estádios de São Paulo. "Passamos pelo campo da Portuguesa e ficava olhando a foto dos jogadores. Fomos treinar na Vila Belmiro e ficava olhando o campo, os jogadores. " Marcelinho tem a seguinte definição para o torneio: "Copa SP é um glamour!"

Sobre a final do torneio entre Corinthians x Flamengo, no dia 25 de janeiro, aniversário de São Paulo, o ídolo das duas maiores torcidas do país, arrisca um palpite. "Os 2 times são feras e estão invictos. Mas meu coração é Corinthians, mano", finaliza o alvinegro de paixão. 

(Texto de Carlos Sartori)

Veja também:

Grêmio procura investidor para bancar parte do salário pedido por Robinho

Willian revela que daria prioridade ao Corinthians caso voltasse ao Brasil

Geovânio se emociona em despedida do Santos e promete volta à Vila

Deixe seu comentário