Bernardinho se despede e Renan Dal Zotto assume Seleção Brasileira masculina de vôlei

Treinador da equipe por quase 16 anos, o multicampeão conquistou duas medalhas de ouro olímpicas, duas pratas, três títulos mundiais e oito Ligas Mundiais

compartilhado
Compartilhar vídeo
Inserir vídeo
Tamanho do vídeo
288138
compartilhado

Na tarde desta quarta-feira (11 de janeiro), se encerrou um ciclo de quase 16 anos e incontáveis títulos no voleibol masculino. Em coletiva da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Bernardinho se despediu da Seleção Brasileira e o ponteiro da Geração de Prata de 1984, Renan Dal Zotto assumiu como novo treinador.

Desde a conquista da medalha de ouro dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Bernardinho já havia dado sinais de que deixaria de treinar a equipe brasileira de vôlei. Diretor de Seleções da CBV, Renan foi o nome escolhido para dar sequência ao trabalho de um dos maiores treinadores da história do esporte brasileiro.

“Para mim é um sonho poder chegar um pouco mais tarde. Inevitavelmente ele vai ter que fazer parte de alguma forma do processo de continuidade do crescimento do voleibol. A ideia é continuar trabalhando muito forte. Esse é nosso diferencial. Um desafio enorme, muito grande”, afirmou o novo treinador Renan durante a coletiva de sua apresentação.

Saiba mais:

Camisa 10? Diretor do Flamengo afirma que tendência é que Conca vista a 11 e Diego siga com a 35

Negou: Mattos trata como 'impossível' chegadas de Pratto e Borja, mas projeta mais dois reforços

Será? Presidente do Nacional diz que ficaria "completamente louco" com a chegada de Ronaldinho

De fato o desafio é grande: como treinador da Seleção masculina, Bernardinho conquistou duas medalhas de ouro olímpicas (Atenas 2004 e Rio 2016), duas pratas (Pequim 2008 e Londres 2012), três títulos mundiais (2002, 2006 e 2010) e oito Ligas Mundiais (2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009 e 2010. “Há dois dias não durmo. Desde o momento que vi que teria que tomar essa decisão”, acrescentou Renan.

“Ao longo desse processo todo, nos últimos quatro ou cinco meses, sempre vi o Bernardo nervoso, angustiado. Ontem durante nossa reunião foi a primeira vez que eu o vi um pouco mais relaxado”, disse Radamés Lattari, diretor de voleibol da CBV.

Links relacionados
Deixe seu comentário