Museu do Futebol inaugura exposição sobre futebol feminino

Projeto visa consagrar no acervo do Museu a história da participação das mulheres no esporte. Abertura terá presença da 1ª árbitra brasileira da Fifa

compartilhado
Museu do Futebol passará a apresentar acervo histórico sobre o futebol feminino a partir desta terça-feira, dia 19 (Divulgação)
Museu do Futebol passará a apresentar acervo histórico sobre o futebol feminino a partir desta terça-feira, dia 19 (Divulgação)
200822
compartilhado

Em 2015, ano da Copa do Mundo Feminina FIFA no Canadá, o Museu do Futebol - instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, localizado no Estádio do Pacaembu – levanta uma bandeira: dar visibilidade para o futebol feminino. No dia 19 de maio, às 10h, será inaugurada a exposição que inclui no acervo principal a trajetória das mulheres nesse esporte, dentro e fora dos gramados. A entrada será gratuita neste dia.

“Ouvimos os pedidos do nosso público e superamos uma lacuna do Museu do Futebol. Tornar mais conhecida a história da participação feminina no principal esporte do país visa também colaborar para o reconhecimento das atletas que há muito tempo batalham pelo direito de jogar bola”, diz Daniela Alfonsi, Diretora de Conteúdo do Museu do Futebol.

A exposição tem um formato inédito, com intervenções em todo o Museu. Ao percorrer as salas, o visitante vai descobrindo as novidades, sinalizadas com uma medalha. Esse novo formato tem o intuito de mostrar ao público que as mulheres sempre fizeram parte da trajetória do futebol brasileiro, mas quase nada se conhece sobre o tema.

“Um fato desconhecido do grande público, por exemplo, é que durante quase 40 anos vigorou uma lei que proibia às mulheres praticar algumas atividades esportivas, dentre elas, o futebol. A modalidade só foi regulamentada em 1983 e as equipes que jogavam antes desse período chegavam a ser perseguidas. Mulher jogar bola já foi ilegal no Brasil”, comenta Silvana Goellner, Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), coordenadora do Centro de Memória do Esporte da mesma universidade e co-curadora da mostra.

Parte dos acervos foi garimpada junto às próprias atletas, com as quais se compartilhou a curadoria. Buscou-se o apoio de clubes e centros de memória no Brasil e no exterior. Centenas de fotografias, recortes de jornais e documentos pertencentes aos arquivos pessoais das jogadoras estão sendo digitalizados pelo Centro de Referência do Futebol Brasileiro para integrar os acervos do Museu do Futebol e da UFRGS.

A primeira intervenção é no Foyer do Estádio, onde serão homenageadas 24 jogadoras da Seleção Brasileira desde 1988 – a primeira formação – até 2015. Na Grande Área, hall de entrada do Museu, estão incluídas reproduções de objetos colecionados pelas atletas, como a primeira medalha da Seleção Brasileira no torneio internacional da China, em 1988.

Na sala Anjos Barrocos, as jogadoras Marta, eleita cinco vezes a melhor do mundo pela FIFA, e Formiga, há 20 anos na Seleção Brasileira, finalmente entrarão no panteão de ídolos do nosso futebol, como Pelé e Garrincha.

Na sala das Origens, será contada a trajetória dos primeiros times femininos no Brasil até a proibição, pelo Estado Novo, a partir de 1941. Reproduções de documentos e fotos do Reino Unido, França e Estados Unidos indicam que as mulheres jogam futebol desde os primórdios do esporte.

A mostra também abre espaço para histórias fora dos campos, como a de Anna Amélia Carneiro de Mendonça, poeta e entusiasta do esporte desde muito antes de seu casamento com o goleiro do Fluminense nos anos 1920, Marcos Carneiro de Mendonça. Ana Amélia publicou o poema “O Salto”, em 1922, introduzindo o tema do futebol na poesia brasileira.

Na sala Dança do Futebol, com roteiro do jornalista e escritor Marcelo Duarte, três vídeos mostram a história dos Clubes e Campeonatos nacionais; o jogo bonito de muitas atletas profissionais e amadoras e as pioneiras no esporte, com destaque a Léa Campos, a primeira árbitra FIFA no mundo.

Léa desafiou as regras até conseguir autorização do General Médici para apitar um jogo oficial de futebol, no México, em 1971. A mineira será homenageada na cerimônia de abertura da exposição, às 10h do dia 19 de maio e, no mesmo dia, às 14h, gravará sua história de vida para o acervo do Museu.  Os dois eventos são gratuitos e abertos à participação do público.

Veja mais

Poderia ser melhor: Alecsandro reclama da arbitragem e quer Fla mais “dinâmico”

Disputado: Vasco entra na briga com o Botafogo para tirar Riascos do Cruzeiro

Em boa hora: Transação de Felipe Anderson pode 'resolver' crise do Santos

Para completar o projeto, um site exclusivo traz, a partir de 19 de maio, a agenda de atividades, vídeos, textos e acervos que serão pesquisados até o final do ano: www.futebolfeminino.museudofutebol.org.br. O Museu do Futebol espera, com o projeto, contribuir para a ampliação das fontes e registros sobre o futebol feminino.

SERVIÇO

Exposição Visibilidade para o futebol feminino

Onde: Museu do Futebol

Data: 19 de maio até 30 de dezembro

Endereço: Praça Charles Miller, s/n – Estádio do Pacaembu

* No dia 19 de maio a entrada será gratuita

 

Preço dos ingressos nos demais dias: R$ 6 (inteira) /R$ 3 (meia-entrada para estudantes, idosos e professores).

Horário de funcionamento do Museu: 9h às 17h (permanência até as 18h)

*Pessoas com deficiência não pagam

*Crianças até sete anos não pagam

*Todos os sábados a entrada é gratuita

*Estacionamento no local com Zona Azul – R$ 5,00 válido por três horas. A venda na bilheteria do Museu

Tel.: (11) 3664-3848

Informações: www.museudofutebol.org.br

Twitter: @_museudofutebol

Facebook: www.facebook.com/museudofutebol

Instagram: http://instagram.com/museudofutebol

Links relacionados
Deixe seu comentário