DIFERENCIADO

O blog do Rodrigo Bueno

Por DIFERENCIADO5/2/2013 - Rio de Janeiro

O direito de não comemorar o gol

Quando um artista faz uma pintura, tem o direito de assinar a obra e de fazer com ela o que bem quiser, pode expô-la ao mundo ou jogá-la no lixo

Nada é mais democrático do que permitir ao atleta celebrar como quiser na hora do gol (Getty Images)

Eu sou um cara que dificilmente muda de opinião, sobre qualquer coisa, mas eu refleti um pouco (de vez em quando eu até faço isso) e agora penso diferente sobre não comemorar gol contra um ex-clube ou contra quem quer seja e seja em que situação for. Não que o Sturridge tenha mudado minha vida, apenas ele jogou luz numa questão que eu tinha deixado de lado.

O atacante do Liverpool arrebentou no jogaço contra o Manchester City no domingo, anotou o primeiro gol da partida (vale bomba e ele soltou uma), quase fez o gol da vitória no final da peleja (Hart salvou em seu canto direito) e ele foi eleito o melhor em campo num duelo eletrizante (2 a 2) cheio de melhores em campo (Gerrard, Agüero...). Só que Sturridge não festejou (externamente) o golaço que anotou no ex-time. Ele se profissionalizou no Man City, tendo defendido o clube entre 2003 e 2009. O atual campeão inglês, antes de ser esta potência milionária que é hoje, ajudou a formar Sturridge tanto como atleta como também como pessoa. Mais do que normal ele ter carinho pelo ex-time e nutrir respeito pelos seus dirigentes e, em especial, pelos seus torcedores.

Mas aí alguém logo pensa: “Não comemorar o gol do Liverpool é um desrespeito ao torcedor do Liverpool, que é o time que o paga hoje.” Eu pensava exatamente assim, mas agora estou mais do que flexível. Sturridge saiu de campo, substituído, sob aplausos efusivos dos torcedores dos Reds, foi um reconhecimento pela atuação de gala dele em campo. Ele virou logo o bom parceiro de ataque que Luis Suárez precisava e tem rendido bem, com gols, em duelos de peso, como os contra os dois poderosos times de Manchester.

A torcida do Manchester City, por sua vez, pareceu protestar contra Sturridge na saída dele de campo. Apesar de ele não ter vibrado em seu gol em respeito aos Citizens, ele tentou simular um pênalti no segundo tempo, algo que o futebol inglês tem na conta de pecado capital, crime hediondo. Sturridge foi no domingo um herói do Liverpool, que jogou melhor e merecia vencer, e foi um vilão para o Manchester City, a quem demonstrou carinho mesmo vestindo outra camisa. Caso curioso, mas agora é que eu quero tocar no X da questão...

Nada é mais democrático do que permitir ao atleta celebrar como quiser na hora em que marca um gol. Claro que não estou defendendo a liberdade para o autor do gol incitar a violência ou mesmo invadir a arquibancada distribuindo voadoras (quase tudo tem limite), mas o goleador tem o direito sim de celebrar como desejar, inclusive o de não celebrar. Gol é emoção pura, ainda mais para quem o faz, e só ele sabe o que está sentindo, o que passou, o que viveu, o que está enfrentando, o que está encarando. Só ele tem a exata dimensão daquele momento. Quando se faz um golaço ou quando se anota um gol que tenha grande significado para o jogador, seja qual for a razão, é normal ver o atleta tirar a camisa mesmo sabendo que levará um cartão amarelo (regra mais comercial do que qualquer outra coisa, sendo assim bastante discutível). Quando um artista faz uma pintura, tem o direito de assinar a obra e de fazer com ela o que bem quiser, pode expô-la ao mundo ou jogá-la no lixo.

Sturridge em nenhum momento desrespeitou os Reds. E não deve ser desrespeitado por isso. Ao contrário, deve ser compreendido

O silêncio na comemoração faz tanto barulho quanto um berro monumental que extravasa toda a alma. Enquanto os companheiros de Sturridge esbanjavam um largo sorriso após seu gol, o atacante estava contido, calado, quase estático. Só que ele fez o que é pago para fazer, foi um excelente profissional rendendo perfeitamente em campo e dando o máximo pela vitória. Ele consumou o que seu vultoso contrato pede. “Ah, mas ele tem que demonstrar carinho pelo Liverpool, não pelo Manchester City”. Não! Primeiro que ele, ao simular um pênalti, já faltou um pouco com o respeito pelo City. Não acho isso correto, mas foi outro lance em que ele tentou fazer o melhor para a agremiação que defende no momento, esquecendo ali seu passado com o time de Manchester. Segundo, Sturridge em nenhum momento desrespeitou os Reds. E não deve ser desrespeitado por isso. Ao contrário, deve ser compreendido. Ele não pareceu fazer média, não me passou ali na hora do êxtase ser um babaca politicamente correto. O cara foi sincero.

Pelé fez um golaço de falta no Santos com a camisa do Cosmos em 1977 e comemorou demais seu tento. Isso não fez ele ser menos ídolo do Peixe. Nem preciso tentar entender o que o Rei sentiu naquele momento. Era o final mesmo da carreira, ele estava sendo mostrado para boa parte do mundo, era um garoto-propaganda do futebol nos EUA, era um amistoso etc. Mas e se Pelé não tivesse comemorado? Deveria ser castigado, execrado, criticado? Creio que não. O são-paulino Luis Fabiano diz que fazer gol na Ponte Preta, clube que o projetou, é como bater na mãe. Mesmo assim, ele vai lá e bate na mãe, até já fez gol que eliminou a Macaca da Copa do Brasil e festejou muito. Mas e se ele tivesse ficado quieto após o gol? Direito dele. 

Pensei em escrever este post quando um internauta me perguntou o que eu achei da atitude do Sturridge. É fácil dizer que eu, se fosse jogador, comemoraria todos os gols de uma forma diferenciada, alucinada, maluca. Mas tem momentos e momentos. Jogador pode estar de luto, apaixonado, pode ser grato a uma pessoa do rival, pode estar em depressão, pode querer fazer um protesto velado, pode expressar o que quiser (de novo com pequena ressalva) após balançar as redes. Sturridge não é meu ídolo, embora jogue hoje no meu time favorito na Inglaterra. Não me senti traído por ele porque ele não celebrou o gol dos Reds. Embaixo do profissionalismo correto dele tem um ser humano, e eu entendi que devo respeitar os sentimentos dele. Ele só fez o bem no gol de domingo e na não-comemoração desse gol. Se fez algum mal (para o Manchester City, para o Liverpool, para o futebol e para o esporte), foi quando simulou um pênalti. 

Data Fifa: Holanda 1 x 1 Itália, Inglaterra 1 x 1 Brasil, França 1 x 2 Alemanha, Suécia 1 x 3 Argentina, Bélgica 3 x 1 Eslováquia, Portugal 1 x 1 Equador, País de Gales 1 x 1 Áustria, Romênia 2 x 1 Austrália, Irlanda 1 x 1 Polônia, Escócia 2 x 0 Estônia, Chile 2 x 0 Egito, Japão 2 x 0 Letônia, Azerbaijão 2 x 0 Liechtenstein, Croácia 2 x 1 Coreia do Sul, Paraguai 2 x 0 El Salvador, Moldova 1 x 1 Cazaquistão, Hungria 3 x 1 Belarus, Eslovênia 0 x 1 Bósnia-Herzegóvina, Chipre 0 x 2 Sérvia, Noruega 1 x 1 Ucrânia, Espanha 2 x 0 Uruguai, Albânia 0 x 1 Geórgia, Islândia 0 x 1 Rússia, Israel 1 x 0 Finlândia, Turquia 2 x 2 República Tcheca, Malta 0 x 0 Irlanda do Norte, Macedônia 1 x 3 Dinamarca, Grécia 1 x 2 Suíça, Luxemburgo 0 x 3 Armênia, Trinidad e Tobago 1 x 2 Peru, Bolívia 4 x 0 Haiti, Guatemala 0 x 2 Colômbia e Senegal 3 x 1 Guiné

Copa da África: Mali 1 x 2 Nigéria e Burkina Faso 0 x 2 Gana

Outros: Stevenage 0 x 1 Notts County, Dover 3 x 2 Bromley, Hendon 1 x 4 Whitehawk, Margate 4 x 3 Kingstonian e Worksop 3 x 3 Frickley

Seedorf sempre foi um jogador diferenciado, afinal é holandês. Melhor ainda, jogou só em times muito diferenciados na Europa, como Ajax, Milan e Real Madrid. Também se mostrou um cara bem diferenciado ao escolher trabalhar no Brasil, sendo que ainda tinha mercado na Europa e em outro centros que pagam bem e/ou que figuram no que convencionou-se chamar de Primeiro Mundo. Também foi diferenciado ao escolher o Botafogo, time de sua mulher que não está entre os mais populares nem entre os que faturam mais no Brasil. Também foi diferenciado ao esbanjar humildade e virar exemplo de profissionalismo e amor à camisa em tão pouco tempo. Também foi diferenciado a jogar em campos e estádios ruins e contra adversários de pouca expressão sem fazer mimimi. Também foi diferenciado contra o Macaé ao marcar pela primeira vez na carreira três gols. Também foi diferenciado ao chorar satisfeito com a fase que vive neste final de carreira e com o carinho que recebe dos botafoguenses, que já fizeram bandeira especial para o ídolo que encanta também as outras torcidas. E Seedorf é tão diferenciado que até permite que os outros o chamem de qualquer coisa que se pareça com Seedorf, não se importando com o que seria a pronúncia correta de seu nome diferenciado.

Arrumar goleiro bom para o churrasco muitas vezes é o grande problema do churrasco. Vira e mexe temos que apelar para algum quebra-galho, pedir para alguém entrar lá para fazer número embaixo do travessão. A Roma até tem um bom goleiro, o holandês Stekelenburg, mas parece que ele estava com a barriga muito cheia e foi tirar um descanso. Colocaram então o Goicoechea para tapar o buraco. Começou a pelada contra o Cagliari em Roma e todo mundo achava que o goleiro do time da capital ia ser só um cone, mal ia tocar na bola. E ele tocou. Tocou a bola para dentro do próprio gol quando jogaram uma bola despretensiosa na área. E foi sem pretensão que o Cagliari meteu outras três bolas no gol do Goicoechea, que não é aquele argentino amigo do Maradona e pegador de pênaltis da Copa de 90. Esse é uruguaio, especialista também em churrasco. Zeman, o técnico que colocou o Goicoechea na chapa, acabou sendo fritado depois desse churrasco. Assou feio!

Pato fez o primeiro gol no primeiro jogo pelo Internacional (como profissional), pelo Milan e pela seleção brasileira. Estava na cara que faria seu primeiro gol pelo Timão logo no primeiro jogo que fizesse pelo time, ainda mais se esse jogo fosse contra o Oeste no Pacaembu. O goleiro Fernando Leal até que defendeu a primeira finalização do Pato, mas o rebote foi para o próprio atacante, que conferiu assim o primeiro tento alvinegro de sua carreira. Foram necessários apenas três minutos em campo para ele inaugurar sua artilharia com a camisa corintiana. A torcida o quis, a torcida o pediu, a torcida o recebeu, a torcida aplaudiu. Tudo na hora certa. Mas então por que o gol de Pato estava aqui na seção “Gol na Hora Errada”? Bom, talvez porque agora Tite tenha aquele tal doce problema (cascata) de ter que colocar Pato, Guerrero e Emerson Sheik juntos. Bom, talvez porque Pato não fez tantos gols quanto se esperava dele pelo Inter, pelo Milan e pela seleção depois de estrear por eles de forma sensacional. Aliás, até os relacionamentos mais famosos de Pato começaram com tudo e depois deram rapidamente uma esfriada. Os gols certos nas estreias certas podem dar uma impressão errada. No tempo certo, veremos quem está errado.

QUASE 0% é a chance de classificação de Duque de Caxias, Macaé, Olaria e Quissamã para o mata-mata da Taça Guanabara, segundo o site Chance de Gol. Era exatamente esse número (quase 0%) que eu calculava antes de começar o Estadual do Rio pensando nas possibilidades desses quatro times. Vemos então que a matemática e a matemágica às vezes se aproximam, aliás quase se aproximam 100% nesse caso.

“Há pessoas que você pensa que são boas, mas elas são diferentes no fim. Balotelli é exatamente o contrário. Ele pode não parecer um bom rapaz, mas definitivamente é. Eu sempre fui um fã de Balotelli.”

(Faço minhas as palavras de Van Persie sobre o mais novo atacante do Milan, um dos mais diferenciados de todos os tempos)

Só quem é Bangu sabe o que é ser Bangu. Só quem é Bangu sabe...

(Não era o Expresso da Vitória, Dinamite, Romário e Edmundo não jogaram, mas era o Vasco. Numa época em que o abismo entre grandes e pequenos é cada vez maior, uma vitória magrinha que seja numa rodada qualquer de Estadual vale demais para um humilde da bola tupiniquim. E o Bangu na história não é humilde, até final de Brasileiro fez. Eis que ressurge em pleno alçapão de São Januário e coloca o Vasco fora de seu lugar em seu lugar. O primeiro grande a perder no Estadual foi o Vasco, algo mais ou menos previsível pela crise vascaína. E o primeiro pequeno a vencer um grande no Carioca foi o Bangu, algo também mais ou menos previsível devido a uma organização razoável do Bangu. Bangu 1 Vasco 0!)

Então a Europol identificou 380 jogos de futebol com resultados arranjados? Então o crime está mesmo dominando o futebol mundial. Eliminatórias da Copa do Mundo, Eurocopa, Champions League... É uma vergonha para o futebol maior até que o apagão no Super Bowl para o futebol americano. Só que o futebol americano nunca vai dominar o mundo, é o real football que tem alcance global e precisa de um Mundopol para fiscalizá-lo. Jogador, técnico, árbitro e dirigente que vende resultado tem que ser banido do esporte e perder o resto da vida na prisão. É hediondo o crime de brincar com a emoção de milhões de pessoas mundo afora. Isso não tem preço. Que a justiça do futebol seja feita com rigor e que as injustiças do futebol aconteçam sempre por obra do acaso, tão e somente por obra desse genial jogador.

“England captain Steven Gerrard is looking forward to kicking off The FA’s 150th anniversary celebrations against Brazil with a win and hopes it will aid qualification to the 2014 World Cup finals.”

(Como mostra o release da FA, o amistoso entre Inglaterra e Brasil marca o início das celebrações pelos 150 anos da federação inglesa, simplesmente “A Federação”. Os ingleses veneram o futebol brasileiro, o mais vitorioso de todos, e a história venera o futebol inglês, o berço de todo o futebol, até o brasileiro.)

Clérence Seidorf. Repeat after me: Clérence Seidorf.

(Clarence Seedorf, jogador campeão europeu por três clubes diferentes e atual ídolo do Botafogo)

Para o FOX Sports Brasil! Um ano de vida fez o canal de esportes mais diferenciado do país neste dia 5 de fevereiro. Por que ele é o mais diferenciado? Claro que por minha causa. Comecei a trabalhar no FOX Sports no dia 1º de fevereiro, quatro dias antes de ele ir para o ar. Foi uma iniciativa ousada do canal que virou a casa da Libertadores também no Brasil (na América Latina Espanhola já é faz tempo...). Inglês, Italiano, Argentino, Sul-Americana, Recopa, Suruga, Torneio de Verão... Nem preciso dizer que o futebol mundial domina o FOX Sports, por isso fui facilmente dominado pelo canal. Um projeto diferenciado com gente diferenciada em todos os setores. É fácil se gabar (ainda mais para mim rsrs) agora, mas foi um salto arriscado no começo, para o canal e para mim. Mudar para o Rio, disputar o mercado de forma firme e corajosa, apresentar um novo formato, lançar este Blog Diferenciado... Foi um ano que passou voando e foi uma delícia, muito por sua causa. Sem você não teria tido a menor graça essa mudança toda. Parabéns para nós! ;)

PS: As explicações para as seções regulares do blog estão aqui. Eu creio que todos entenderão o espírito esportivo e bem humorado de todas elas. Quem quiser sugerir personagens diferenciados , gols na hora errada, lances de churrasco, frases épicas, releases relevantes ou não, estatísticas discutíveis, histórias cabeludas e curiosas ou mesmo simples abráááááááços, basta escrever para o e-mail deste blogueiro: rodrigotbueno@hotmail.com

O texto não reflete necessariamente a opinião do canal FOX Sports ou de qualquer outra empresa do Grupo FOX.

Postar um comentário